Estado de tempo que trará chuva.

domingo, 27 de janeiro de 2019 · Temas:

Depois de uma curta pausa na chuva, ei-la de volta já a partir de amanhã. Segundo a previsão do Weather Underground, sítio da Internet para o qual a estação meteorológica da ESL debita os seus dados, a semana será chuvosa, com especial incidência a partir de meio da tarde de quarta-feira até ao final sexta-feira.

Para aqueles três dias, a probabilidade de precipitação ronda os 100%, e estão previstos cerca de 100 milímetros de chuva. A previsão para o próximo fim de semana e o início da semana seguinte, é de muita nebulosidade sem chuva.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Vinte quilómetros de mar.

Sabíamos que o caminho era sempre para sul, sabíamos do sol pleno, e imaginávamos o mar a bafejar a brisa. Aconteceu; mas não imaginávamos o calor inusitado que sentimos, mesmo diante da chuva que se adivinhava no horizonte. Fez-se sem custar, e ganhamos o risco de um sábado de inverno, que não o foi, e para mais estava adiado há demasiado tempo. O balanço fez-se do seguinte modo: há urgência num novo, se possível, com o intimismo e cumplicidade deste.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Upa! #5.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2019 · Temas: ,

Educar é muito mais do que uma simples transmissão de conhecimento, é uma relação de confiança que se estabelece. Esta pequena entrevista, pelo modo cúmplice como correu, só foi possível por termos visto estas meninas crescer diante dos nossos olhos, e reconhecer nelas parte da nossa extroversão e também rigor. Se calhar, até nos conhecem melhor do que muita gente; sabem onde pisar, quando brincar, quando trabalhar e, por isso, sabe muito bem uma relação assim.

Revista a gravação, arrependemo-nos de não a ter prolongado durante uns imensos minutos. Perguntamos o básico, mas se tivéssemos optado pelo rebuscado, também surgiria resposta, tal o grau de descontração de uma geração que trata a câmara por tu e de certo modo, vê-nos como alguém semelhante a um par. 

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

À romena.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019 · Temas: , ,

Só agora, com a melancolia de janeiro, encontramos o tom certo a dar às dezenas de fotos que  a equipa que selecionamos para nos acompanhar à Roménia (Henrique, Mariana, Rita e Érica), tirou nos jardins da ESL. São o seu primeiro ato, na verdade, o seu cartão de apresentação, que surge num tom sóbrio e quase sombrio.

E se as muitas fotos de capa preta e colares mágicos, são sintoma de ousadia e poder de iniciativa, a imaginação bem estruturada, parece ser também uma das suas virtudes. Na verdade, reúnem os predicados que exigíamos durante a seleção, e os alunos que os escolheram souberam lê-los nestes “seres” mágicos e algo sombrios…

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Ribeira de Borba.

terça-feira, 22 de janeiro de 2019 · Temas:

Muito perto da nossa escola e da Leonardo Coimbra, há um certo vale que interessa explorar; é o vale da Ribeira de Borba. Encravado entre a Lixa e o Seixoso, é terra de solos férteis e água abundante, declives suaves e leiras, onde a vinha começa a tomar lugar ao eucalipto, juntando parcelas e transformando a paisagem estagnada há décadas.

Visitamos o vale em mais uma “turística” saída de campo e, a propósito da agricultura, tocamos o sino da cuidada capela de S. Roque, por sinal, santo popular na região, conversamos com as gentes locais, observamos, descrevemos e desenhamos a paisagem, e refletimos que as aulas podiam ser sempre assim.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Intervalo.

domingo, 20 de janeiro de 2019 · Temas: , ,

Entenda-se intervalo como ironia, entender-se-á o micro clip realizado à saída de uma aula. É assim hoje em dia pelos corredores das escolas: dezenas de alunos agarrados ao telemóvel a ver o que já viram, a jogar o que já jogaram e, suprema ironia, o sol lá fora a passar ao lado. Sinal dos tempos.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Geografia na rua #2: relógios de Sol.

· Temas: ,

Um dos primeiros artigos do Geopalavras, a propósito das sazonais alterações da hora, aborda a história do relógio, ou melhor, dos relógios. Referimos, então, que este instrumento teve o seu primeiro esboço há cerca de 3500 anos atrás, e baseava-se na projeção da sombra do Sol, projetada de um pilar (ou objeto vertical), num plano horizontal graduado em tempo. Ou seja, um relógio de Sol.

Ora, o Sol abunda, e os restantes materiais para a elaboração de um relógio de Sol são simples e pouco dispendiosos, pelo que vamos avançar para o Projeto 2 da Geografia na rua. Investigamos, lemos bastante informação e, ao invés de apostar numa sofisticada versão deste relógio, optamos por uma versão básica, pois o intuito é sensibilizar e não criar especialistas, sem fugir ao âmbito do programa de Geografia A.

Criamos um pequeno guião de trabalho, que refere materiais e a metodologia a usar nesta atividade. Para além da sua vertente plástica, tão necessária… com ela esperamos possibilitar a compreensão do complexo movimento do astro-rei, das sombras por ele causadas, e a sua influência na arquitetura, por exemplo, da ESL.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Uma tarde entre campos.

terça-feira, 15 de janeiro de 2019 · Temas: , ,

Descemos a Vila Cova com a ideia de olhar a agricultura para lá dos livros, dos esquemas e apontamentos. Fomos à deriva, nunca perdidos, e sempre com o fito nos prédios da Vila, cidade, que se desenvolveu mais acima, em torno da estrada que liga Fafe ou a sede de concelho. O tempo urgia.

Uma tarde entre campos022

A terra sempre foi de encruzilhadas, de gentes de diversas paragens que ali se cruzaram e até fixaram, por isso avançamos sem norte, mas com convicção do rumo. Vimos prados, lameiros, água corrente, agricultura moderna e tradicional; vimos tradição cruel, e também o burlesco arame  farpado, incompatível com o bucólico.

O caminho culminou na solitária capela de S. Roque. O santo, protetor do gado contra doenças contagiosas, tratamento de animais e cães, não impediu o brandir da faca e do cutelo do esventre pela manhã, numa tradição que talvez esteja na hora de deixar de o ser. Foi muito o que aprendemos; vamos repetir.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

O vento e a sensação de frio.

domingo, 13 de janeiro de 2019 · Temas: ,

O frio que nos tem afetado nos últimos dias deve-se a uma massa de ar continental e seca, motorizada por um anticiclone que se centrou no norte do Golfo da Biscaia. Mas, se o frio perdura há mais de uma semana, é nos últimos dias que de desconforto se agravou, dado o aumento da velocidade e intensidade do vento. Esta aliança entre o vento e o frio tem um nome técnico, wind chill, e é passível de ser calculada, com recurso aos valores daquelas variáveis.

Wind Chill - MeteoESL 11 janeiro 2019

Por exemplo: no passado dia 11 de janeiro, pelas 4:29h, a temperatura medida na estação meteorológica da ESL foi de 3,8ºC e o vento registava uma velocidade de 28 kms/h. Aplicando a fórmula do arrefecimento por via do vento (wind chill=13,12+(0,6215*T)-(11,37*V^0,16)+(0,3965*T*V^0,16), a sensação térmica foi de -1,3ºC.

Ou seja, no dia 11, durante toda a madrugada e manhã, o vento soprou com intensidade e veloz, provocando sensações de temperatura inferiores às medidas pelo termómetro da estação meteorológica da ESL.

Para elaboráramos o gráfico anterior, criamos uma folha de cálculo para calcular o wind chill do dia 11 de janeiro. Ora, como tivemos dificuldade em encontrar algo semelhante na Internet, construímo-la e partilhamos para quem a queira dar uso.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Renasceu o Támal!

terça-feira, 8 de janeiro de 2019 · Temas:

Quando desempoeiramos este projeto, recordamos muita gente que neste momento já se constitui como a geração da atual sociedade. Dizemo-lo, porque entendemos que uma geração só se assume quando pauta a sociedade com iniciativas, ora devido à sensibilidade e predisposição, onde nós desempenhamos um papel, ora devido ao cargo profissional que ocupa. É por isso não nos cansamos de desenvolver iniciativas como este Támal, cujo lema, replicamos desde 2011.

 Támal 2019

«Conheces aquela sensação de te apetecer berrar, berrar bem alto e em todas as direções para que o mundo ouça. Ouça que aquela árvore não devia ter sido cortada, que aquele cão não devia ter sido abandonado, que o ribeiro está cada vez mais imundo, que o lixo abunda, que a água se gasta e ninguém se importa com isso…

Agora tens a oportunidade de te fazeres ouvir e quem sabe mudar o mundo! Pega na máquina e fotografa o que Támal. Se achares que não chega, faz uma reportagem em vídeo e mostra-nos os que está mal. Entrevista as pessoas, procura culpados e arranja soluções. Faz-te ouvir!»

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

O modulador digital.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019 · Temas: ,

Não, não é um título de um filme de ficção científica, é apenas a última aquisição da equipa Erasmus da ESL. Trata-se de um aparelho que permite replicar um sinal de vídeo pelo universo das televisões do edifício da ESL, partindo de uma fonte que poderá ser um PC, uma câmara, ou até um telemóvel. É um sonho antigo, até porque a Parque Escolar, aquando da construção da escola, deixou-nos a pré-instalação, e desde então que pedíamos por este aparelho…

Vlad Modulador

Ora, o Erasmus pensou no assunto, e numa decisão a três, decidimos usar uma parte do nosso financiamento na aquisição deste equipamento que reverterá para escola. Ficará centralizado num estúdio que a ESL possui, possuirá uma tela chromakey e um PC com uma placa de aquisição de vídeo (que também adquirimos) para, por exemplo, realizar emissões de vídeo em direto e ou transmitir conteúdos próprios e realizados pelo universo da nossa escola. Imaginem um street basket em direto na TV…

Esquema Maodulador

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Corrente de leste.

domingo, 6 de janeiro de 2019 · Temas: , ,

Ora aí está o verdadeiro frio de inverno! Veio e está para durar dado o estacionamento de um anticiclone sobre a Normandia. Aquele senhor adora “passear” e estacionar no Golfo da Biscaia, como é o caso. Quando se lembra, desaparece para sul, deixando, nesse caso, que as baixas pressões atlânticas amenizem a temperatura e transportem chuva. Mas, enquanto ali permanecer, a sua ação bloqueará a passagem das depressões e sistemas frontais; chuvinha, portanto!

Imagem1

Como é fácil de observar na carta sinótica, as correntes de massa de ar provindas de leste nesta altura fria do ano, significam uma coisa: frio e baixa humidade. É, na verdade, uma situação meteorológica muito típica do nosso inverno (continental), que se alterará apenas quando o anticiclone perder força e ceder às correntes de oeste, que trarão chuva e mau tempo. Brrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr!

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Dezembro de 2018.

· Temas: ,

Dezembro passado foi um mês de temperatura amena, atendendo ao período do ano em que se enquadra. As temperaturas médias oscilaram em torno dos 13ºC, levando a um valor médio mensal de 13,9ºC. O valor máximo de temperatura registou-se no dia 4 de dezembro, com 19,2ºC, e o  valor mínimo atingiu os 5,7ºC no dia 31.

Temperatura média e precipitação dezembro 2018 MeteoESL

O valor total de precipitação do mês foi de 115,8 mm, concentrada sobretudo entre os dias 12 e 21 de dezembro. Dia 15 foi o mais chuvoso, com cerca de 31,7 mm.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Sábado Diferente: 20 quilómetros à beira-mar.

sábado, 5 de janeiro de 2019 · Temas:

Passadas as festas, apostamos nas caminhadas. Gostamos muito de andar a pé, inclusivamente, perdermo-nos conscientemente, conquistando o vagar necessário à interpretação que a paisagem, sempre rendilhada, requer. Por isso, vamos repetir um belo trajeto, que realizamos há cerca de 3 anos, entre Vila do Conde e Matosinhos, contrariando a toada rumo a norte, em direção ao apóstolo Tiago.

O trajeto do mapa acima publicado, é aproximado àquele que pretendemos realizar, que se desenvolve mesmo junto à costa, nos passadiços sobre as dunas. Faremos pausas para pequeno almoço, almoço e café. Assim, temos dois planos em hipótese para este Sábado Diferente, que será definido em função do número de alunos inscritos; para já temos uma série de professores caminheiros na calha:

  • Plano A (comboio + metro):
  • Encontro na estação de caide pelas 8:58 – S. Bento // estação de metro da Trindade – metro até Vila do Conde (mosteiro) // almoço Angeiras // metro em Matosinhos (antes ou depois do jantar) – Baixa do Porto – regresso.

  • Plano B (automóvel particular + metro):
  • Encontro na estação de 24 de agosto pela 10h (Porto) metro até Vila do Conde (mosteiro) // almoço Angeiras // metro em Matosinhos (antes ou depois do jantar) – Baixa do Porto (24 de agosto) – regresso.

O plano A permite que mais alunos participem; o plano B é o menos cansativo. A decisão será tomada por nós, perante o número de alunos. Se forem em suficiência, avançamos para o Plano A. Se forem poucos, combinaremos um esquema de boleias e divisão de despesas, e avançaremos para o Plano B. A lista de inscrições online está aqui e a folha de autorização será dada em mão. 


Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

A romena.

quarta-feira, 2 de janeiro de 2019 · Temas:

Apesar teremos estabelecido em 3 o número de alunos a levar à Roménia, conseguimos levar mais um, a Rita! Proporcionou-se por termos obtido resposta afirmativa da Roménia, país que nos vai acolher em março próximo, e pela alteração do percurso de viagem, Madrid e não Amesterdão, que nos permitiu equilibrar as contas e conseguir conquistar mais um aluno. Foi um excelente negócio!

A romena

Quando telefonamos à Rita, que de imediato reconheceu a nossa voz e confessou que “não acreditava na novidade”, concedemos-lhe um presente de Natal quase certeiro na data e impossível de igualar. E se a Rita ficou feliz, nós, professores responsáveis por este projeto, não ficamos menos. Afinal, o projeto é por eles, não por nós!

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Internet: 40% é falso.

terça-feira, 1 de janeiro de 2019 · Temas: ,

O site Techspot percorreu, há dias, um artigo da New York Magazine que afirma que a maior parte da internet (incluído os internautas) é falsa. O artigo refere que cerca de 40% do tráfego é falso, no sentido de não serem realizadas por humanos, mas sim por scripts de software, bots, que podem substituir as ações humanas a uma velocidade muito superior, espalhando spam, fazendo buscas automáticas, analisando informações de arquivos e servidores, numa velocidade extremamente alta e muito superior à capacidade humana. O uso mais recente de Internet bots foca-se na publicidade, como o Google Adsense, que exibe a propaganda mais adequada a cada pessoa dependendo de seu comportamento na Internet.

Sistina Vlad

O artigo refere que já em 2013 os bots estavam tão difundidos no YouTube, que os responsáveis ficaram com medo que os seus algoritmos começassem a interpretar o comportamento dos bots como tráfego humano e o humano como bots. Na verdade, a prevalência de bots na internet não é segredo, mas levou ao ponto de não se saber o que é real na internet, considera o jornalista Call Jeffrey, autor do artigo.

Mas, este tráfego falso assenta também no crescimento de click farms, um serviço que garante a obtenção de um determinado número de visualizações por um preço. As empresas são ávidas de visualizações e clicks, de modo a exponencialmente promoverem os seus produtos. Inclusivamente, o mundo político já se rendeu a esta arma de molde social, lançando propaganda e boatos através das redes sociais, ou comprando informações de cidadãos e adaptando o seu discurso em função das informações obtidas.

Nós próprios contribuímos para o embuste crescente, publicando fotos e fotos, cujo objetivo é obter likes. Da mesma forma, clicamos compulsivamente no botão like da postagem de outra pessoa, mesmo quando não lemos o que ela diz, apenas para continuarmos a ser apreciados por ela.

A New York Magazine conclui que o remédio exigiria reformas culturais e políticas em todo o mundo, pois vivemos na Internet das bot de pessoas falsas, cliques falsos, sites falsos e computadores falsos, onde a única coisa real são os anúncios.


Fontes: NYMAG // Techspot // Wikipédia // White Ops

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This