Quanto dura o dia de hoje?

segunda-feira, 20 de junho de 2016 · Temas: ,

Hoje começa o verão! É o solstício de verão, o dia natural mais longo, a norte do equador. Segundo o Observatório Astronómico de Lisboa, ocorre às 23h34min, e prolonga-se por 93,66 dias até ao próximo equinócio, que ocorre no dia 22 de Setembro de 2016, às 15h21min.

Duração dia 20de junho 2016

Hoje, à latitude da ESL, a duração do dia será de cerca de 14h48min. O sol nasceu às 5h16m e pôr-se-á às 20h04min. Na imagem, retirada do Solortopo, é possível verificar a direção do nacimento do astro, a leste, e do seu ocaso, a ocidente.

O prolongamento, maior e menor, das linhas traçadas a vermelho, representam a visibilidade dos dois momentos, até às respetivas confluências com a linha do horizonte. Para oeste, e dada a altitude a que se situa a ESL, aproximadamente 380 metros, será possível visualizar a trajetória do sol até ser tapada pela serra de S. Bento, a noroeste, já próxima de Vizela.


Fontes: OAL // Solortopo

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Geocaching, Ingress e Pokemon Go.

· Temas: ,

Os últimos dias de sol, quase pleno, e o gradual aumento da temperatura, são um bom prenúncio para o verão deste ano, que chega logo à noite, pelas 23h34min, e do qual se espera firmeza, mas sem exageros!

E se a época estival é sinónimo de praia, caminhadas e Geocaching, sobre o qual já muito escrevemos aqui no Geopalavras, também poderá sinónimo da prática do Ingress e do Pokemon Go.  E o que são? Aparentadas do Geocaching, trata-se de duas modalidades lúdicas e desportivas, baseadas na realidade aumentada, proporcionada, por exemplo, pelos smartphones, quem têm uma base real. Isto é, teremos de palmilhar imenso para competir, e o telemóvel é a ferramenta.

Ingress no smartphone (aspeto)

O Ingress já existe desde 2012, e conta com milhares de praticantes a nível mundial que se posicionam numa de duas equipas rivais: os Enlightened e a Resistance. O objetivo de ambas é conquistar, virtualmente, terrenos reais, através da captura de portais virtuais, por vezes afastados quilómetros entre si, e possíveis de encontrar através da realidade aumentada proporcionada por uma aplicação para Android ou IOS. A triangulação destes portais traduz-se num território conquistado, pelo que o jogo de equipa é fundamental: chegar ao ponto x (portal) e capturá-lo, antes dos elementos da equipa rival.

São batalhas agendadas, disputadas sobretudo em meio urbano, que provocam uma sadia Encounter0competição, a usufruição pelo espaço aberto e o exercício físico, que inclusivamente já tiveram lugar no Porto, há cerca de um ano e meio.

Perante o sucesso do conceito, a mesma empresa responsável pelo Ingress, a Niantic,  lançará em meados do próximo mês o Pokemon Go, numa aliança com a nipónica Nintendo, cujo conceito é muito próximo do Ingress. Com este jogo, e através do smatphone, ou uma pulseira que irá ser lançada pela Nintendo, teremos o objetivo de capturar pokemons e travar batalhas virtuais, com outras equipas, em locais reais próximos do lugar onde vivemos ou que visitamos.

Portanto, são duas excelentes ferramentas potenciadoras do nosso telemóvel, que a par do prazeroso geocaching, nos impelem a usufruir do verão em pleno. Bom verão!


Fontes: Wikipédia // The Verge // Nianticlabs

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Deixarmo-nos ir.

terça-feira, 31 de maio de 2016 · Temas: , ,

Portugal é um país delicioso para nos perdermos conscientemente. Ousar o rendilhado rural dos caminhos do norte, os vales e montanhas do centro, o horizonte do sul, ou o verde das ilhas, não é apenas uma ato de prazer, é um dever para com a nossa essência caminhante.

Desde há séculos que realizamos jornadas de dezenas de quilómetros. E se no passado se revestiam de um caráter eminentemente religioso, peregrinatório, atualmente, os mesmos percursos, e milhares de outros, assumem um caráter sobretudo desportivo e turístico, desenvolvendo-se em torno de elementos naturais e culturais proporcionados pela paisagem, numa pratica denominada por pedestrianismo.

S.Torcato e Moinhos-033

Este termo, que deriva do latim pedestris e, por evolução, do termo inglês pedestrianism, que designava o que vai a pé, foi introduzido em termos desportivos, pelo menos desde os anos 30 do século XX, tendo-se vulgarizado em meados de 1990 para o desporto de andar a pé, por caminhos, sinalizados ou não, isentos de dificuldades técnicas, cujo objetivo é, não a competição, mas a pura fruição do território.

É sobre esta fruição que fala este artigo, sem sobranceria, pois sabemos que há muita gente leitora do Geopalavras a praticar esta modalidade turística há muito, onde pretendemos relatar, de um modo quase pessoal, como rentabilizar a tecnologia, smartphones, GPS e computadores, na pratica do pedestrianismo.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Peregrinos.

domingo, 31 de maio de 2015 · Temas: , ,

Ontem a nortada forte e fresca ajudou na concretização de um Sábado Diferente há muito agendado. O vento marcante empurrou-nos durante toda a jornada, amenizou as temperaturas dos últimos dias, ajudou-nos divinamente a andar, afugentou os veraneantes precoces, frustrados com a impossibilidade do calor, e proporcionou-nos um belíssimo e surpreendente cenário dunar, apenas pontuado por peregrinos no rumo certo e alguns desportistas radicais.


Aos 20 quilómetros previstos acrescentamos uns 3 ou 4, pois os desafios da costa eram muitos. Dunas e mais dunas, monumentos, caminhos alternativos e geocaching, fizeram voar as 6 horas de jornada a pé, que acabou num jantar em plena baixa do Porto onde se adivinhava muita azáfama cultural, mas jornada já ia longa e o corpo pedia descanso.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Sábado Diferente adiado para abril.

terça-feira, 24 de março de 2015 · Temas: ,

Pelos vistos acertamos em cheio novamente e, precisamente no próximo dia 26 de março, está prevista chuva a partir do “início da manhã no Minho e Douro Litoral” com vento forte à mistura. Chuva Guimarães

Ora, como necessitamos de bom tempo para praticar geocaching, pelo menos assim é recomendável, adiamos este Sábado Diferente para abril, deixando o nosso fundador à chuva, mas abrigado!

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Venha bom tempo para o BEGA atuar.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014 · Temas:

O mau tempo não nos larga, chateia, fecha-nos em casa, priva-nos do sol e faz-nos comer chocolates. Contudo, a boa notícia é que o bom tempo deve estar mesmo, mesmo aí a chegar. Afinal, os dias naturais já cresceram, as temperaturas também, e daqui a pouco veremos andorinhas no céu, vigilantes dos BEGA no incessante esgravatar por caixas e caixinhas, faça chuva ou faça sol.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Elogio da luz.

terça-feira, 24 de dezembro de 2013 · Temas: ,

A luz é essencial. À fotografia, por exemplo, concede a quem a entende, o poder de captar a aura estética de quem a emana. Com a luz, os sorrisos brilham no escuro e os abraços ficam mais fortes. Na verdade, a luz pode ser paz, família, amor e até a Cidade. Mas na essência, a luz é gesto e atitude; na verdade, a luz é natal!

rrfrf

Imbuídos naquele espírito iluminado, um conjunto de gatalícios de atitude perene, despediu-se, sábado passado, do outono e recebeu o inverno com uma atitude no olhar: desconstruir o pensamento e tentar ver as “coisas” de uma outra forma. Essa atitude traduziu-se em fotos, as quais aguardamos ansiosamente para ver, mas também em gestos, preocupações, muitos abraços, mãos dadas, jogos de “amigos secretos” e dádiva a quem mais necessita, se calhar o mais importante daquele entardecer.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

A BEGA em ação no Mindelo.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013 · Temas:

À boleia do Sábado Diferente do passado dia 16 de novembro, a BEGA realizou três belíssimas caches na zona do Mindelo. Na verdade, foram caches de procura simples, visto estarem bem mantidas e em conformidade com as coordenadas de latitude e longitude (vulgo, GPS), atribuídas.

BEGA1

A primeira situa-se em plena reserva ornitológica do Mindelo, um «mosaico valioso constituído por dunas, zonas húmidas, extensa mata e campos agrícolas […]», onde é possível observar a «reconstituição da estrutura completa do ecossistema dunar». Nesse sentido, a equipa teve o cuidado de procurar a cache, procurando não pisotear a frágil flora dunar. Mais a sul, mesmo junto à linha de costa, realizamos as outras duas caches da jornada. O sol estava de abalada mas o trabalho de equipa rapidamente as fez surgir, culminado assim uma excelente jornada da BEGA.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Amarantinos por um dia.

terça-feira, 13 de agosto de 2013 · Temas:

Não haja dúvida que o Tâmega marca e define o belo centro histórico de Amarante, contorcendo a cidade, encastelada, em seu torno. Na verdade, contorcer é o verbo correto para definir mais uma jornada da(o) .BEGA, que encontrou todas as caches a que se propôs, num inexplicável jogo de equipa, em que cada um desempenha uma função, digamos assim…

BEGA Amarante3

Acrescente-se a curiosa atitude dos naturais da terra que, ao ver-nos esgravatar e, lá está, contorcer por entre as pedras da calçada e os galhos das árvores, nos olhavam com a naturalidade de quem está habituado observar caçadores de caches. Na verdade, a terra é prodiga nesta modalidade e compreendemos que o seu rico e interessante património natural e cultural a isso ajudam.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Campistas.

terça-feira, 6 de agosto de 2013 · Temas: , , ,

O poder de adaptação ao meio é sintoma de juventude. É algo que muita gente esqueceu ou, simplesmente, nunca urgiu. Contudo, quem acampou, sabe certamente do que falamos. Na verdade, o campismo é uma modalidade do desenrasca, uma verdadeira arte, e não admira o seu crescendo por aí, em festivais mais ou menos musicais, em Concelhos interiores que esperneiam por visibilidade, ou até mesmo no improviso de uma manifestação social.

Mas atenção, nem tudo o que parece é campismo! O verdadeiro campista cozinha rente ao chão, domina a grelha, lava a roupa com o mesmo detergente da louça, improvisa iluminação, não se preocupa com a arrumação das tendas (tem fé no caos),  não sabe a que horas se janta, ou até mesmo se irá jantar. Os que se acomodam em verdadeiros palácios ambulantes, bem mais confortáveis que muitas das habitações do país, e se refugiam no restaurante mais próximo, não é campista e não se desenrasca, finge-se desenrascado, pois está habituado a mordomia próprias de idades mais avançadas. Há muitos…

Isto tudo a propósito dos filmes da Semana Diferente, finalmente editados, realizados em Caminha há cerca um mês, que resultam em provas felizes de desenrascanço, criatividade e divertimento. O extraterrestre perdido e de pistola de raios na mão, as piruetas e habilidades com superpop, a descoberta antropológica de uma determinada fauna, com nomes bem característicos, ou a evidente habilidade de cantoria de alguns, são provas que, afinal, a arte do desenrascanço não é de todos, mas própria de alguns.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Amanhã o BEGA vai à caça…

quinta-feira, 25 de julho de 2013 · Temas:

Amanhã o BEGA vai caçar pelas bandas de Vila Cova e Borba de Godim. Já definimos quais as caches a procurar, o material de navegação está quase afinado e a equipa há muito que descobriu que o Facebook tem um botão off.

Caçada BEGA

O ponto de encontro é na ESL pelas 14 horas e a saída da escola está prevista para as 15 horas. Vamos palmilhar bastante (para não variar). O raio de ação é de cerca de 2 a 3 kms, que abrangem, imagine-se, cerca 20 caches! Contudo, apenas nos centraremos em duas ou três, sendo que uma delas é do tipo multi-cache (mais divertida ainda). Talvez seja muito para uma só tarde, mas isso não interessa, claro!

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Nasceu o BEGA.

sábado, 20 de julho de 2013 · Temas: , ,

Costuma ser ao contrário; normalmente a sigla nasce em função do nome de uma organização, clube ou associação, mas desta vez invertemos a lógica… Pensamos primeiro na sigla e só depois no nome: ficou BEGA - Batalhão de Esgravatadores de Geocaches Amadores. Soa bem, pronuncia-se ainda melhor, e se calhar é o que interessa para já!

BEGA - 400px

Sabem, há siglas que têm pinta e sonoridade, gostamos de as ler e não nos cansamos de as pronunciar, inclusivamente em cânticos… (FCP, olé, olé ou SLB, SLB…), estão a ver!  Há no entanto casos de siglas irremediavelmente perdidas, ainda que se refiram instituições de respeito e missão nobre.Símbolo BEGA - 400px

Nos lugares cimeiros deste top da perdição estão as siglas de várias entidades governamentais: o IGAPHE (Instituto de Gestão e Alienação do Património Habitacional do Estado), a famosa ASAE (Autoridade de Segurança Alimentar e Económica) ou mesmo o INRB (Instituto Nacional de Recursos Biológicos), são quase impronunciáveis  e definitivamente ninguém faz cânticos com elas. Enfim… 

Mas voltando ao BEGA. Trata-se da sigla do “clube” de caçadores de caches do Geopalavras / ESL (baseadas no portal de referência deste desporto - www.geocaching.com). Aliás, o BEGA conta já com uma página dedicada no Geopalavras, onde estão descritas e georreferenciadas as caches já encontradas. Neste momento, e nos últimos dias, os caçadores do BEGA tem feito caçadas em Vilar de Torno (Lousada) e Travanca (Amarante), com sucesso. Dá lá um salto, entusiasma-te e adere ao BEGA.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Qualquer coisa de entusiasmante.

quarta-feira, 17 de julho de 2013 · Temas: , ,

Na prática do Geocaching o entusiasmo é muito, quase primário, confessamos. É próprio de outras idades, dirão uns, adequado aos juvenis de espírito, dirão outros. O facto é que esta moderna forma de “caça ao tesouro”, alicerçada num portal da internet e num gps,  já contagiou centenas de milhar de pessoas / desportistas que, ao longo do mundo inteiro, esconderam já cerca de 2 milhões de caches. Imagem2

De facto, em Janeiro de 2013, Portugal apresentava um total de 20266 caches para procurar ao longo do seu território. Este valor, colocava-nos então na 16ª posição, num ranking liderado pelo EUA, país fundador da modalidade, que apresentava então um total de 882.101 caches! Portanto, há caches criativamente espalhadas um pouco por todo o lado, com diferentes graus de dificuldade e pequenas nuances, mas em número suficiente para nos ocuparem os fins de semana até sermos velhinhos. Isto se mantivermos (conquistarmos) o tal espírito e descobrimos o botão off do facebook... 

As caches propriamente ditas, são pequenas embalagens de plástico, suficientemente herméticas para conservar das adversidades atmosféricas, pequenos diários de registo e / ou recordações dos vários geocachers que as encontram.

Nesse sentido, o Geopalavras criou este símbolo (que pode muito bem ser afinado), para ser colocado nas caches que o Batalhão de Caçadores de Caches encontrar. É uma ideia a desenvolver mais seriamente para o próximo ano letivo, na ESL ou numa nova realidade (…), e que para já conta com 4 membros. Sabemos que soa a qualquer coisa como aqueles clubes nada secretos, de tenda plástica comprada no Lidl e montada no jardim junto à piscina de borracha, mas acreditem que é mais sério que isso. Haja tempo e possibilidade pois espírito e amor pela orientação e caminhada já existem!

Equia

Para além do obrigatório registo no site do geocaching (obviamente já existente), pretendemos criar no Geopalavras uma secção que arquive as fotografias e os registos da caçadas. Para já temos quatro caches encontradas na área de Caminha (durante a Semana Diferente), mas só na região da Lixa / Felgueiras existem dezenas por encontrar.

Numa segunda fase esconderemos nós as caches em locais que façam os caçadores descobrir pontos interessantes do Concelho e da própria região. Potencial não falta, entusiasmo e vontade também não. Aceitam-se ideias e sugestões, e com elas vamos avançando.


Nota: foram acrescentadas em 24 de julho novas fotografias da equipa BEGA.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This