Projeto 1: adoramos!

quinta-feira, 28 de setembro de 2017 · Temas: , ,

O primeiro Projeto 1 da iniciativa Geografia na Rua decorreu ontem, durante a tarde, e adoramos! E desta vez, não foi o propriamente a Geografia que nos entusiasmou, ou seja, o resultado. Foi sim o processo e toda aquela cumplicidade entre a investigação teórica, realizada na biblioteca da ESL, e a montagem dos mapas, decorrida no átrio de entrada do edifício da escola.

ktkuku

Contudo, há ainda muito a fazer. Durante os nossos estranhos silêncios, e como avaliadores, percebemos alguma desorganização, sobranceria, desconcentração por motivos periféricos e falta de diálogo. Em contraponto, observamos o que esperávamos: tenacidade, empenho quase (ou mesmo) competitivo, cientificidade (mais nuns do que noutros), criatividade e muito improviso.

E não obstante este último adjetivo, que desenrasca e faz avançar, se ter imposto com a naturalidade de uma primeira atividade, na próxima, não gostávamos da sua presença. Vamos trabalhar nisso.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Ao raiar do sol.

quarta-feira, 27 de setembro de 2017 · Temas: , ,

Segundo a mitologia grega, Dioniso, deus grego dos ciclos vitais, das festas e também do vinho, ordenou que lhe trouxessem uma bebida que lhe envolvesse todos os sentidos. Trouxeram-lhe néctares diversos, mas só se satisfez quando lhe ofereceram o vinho, uma essência de cultura.

VindimaLixa 001

A caminho da feira da Lixa, a última deste mês de setembro, sentimos que Dioniso nos guiou e propôs este cenário de beleza plástica rara e marcante, onde tudo se alinhava, como se encenado: a luz oblíqua, a suave neblina e os rostos ásperos, de quem se levantou muito antes do astro rei.  O drama decorria bem próximo da ESL, poeticamente no outono, e foi um momento de vida, daqueles só igualados pelo torpor que a bebida permite alcançar.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Saídas brilhantes para um Curso de Humanidades.

segunda-feira, 25 de setembro de 2017 · Temas: , ,

Por natureza, lecionamos sobretudo a cursos e áreas que se vocacionam às Humanidades. Até há bem pouco tempo, este era, para alguns alunos, e visto por muitos professores, como um curso de “fuga à matemática”, às ciências e tecnologias, alojando quem não via solução no ensino profissional.

Bússola na Mão 100 - EBLC -15 de dezembro de 2014Esta premissa faz “escola” no final do 9º ano, por volta das matrículas, e impõe-se perante o aluno não convicto. Mas, a realidade desmonta toda esta ideia. E dizemos isto porque lidamos, orgulhosamente, com alunos de qualidade provada, que fariam “lugar vincado” num curso de Ciências e Tecnologias.

Bússola na Mão 076 - EBLC -15 de dezembro de 2014Não o quiseram, pois a convicção e um remar realista, de encontro a oportunidades criadas por um mundo onde o que se impõe é, a passos largos, a capacidade de inovação e as experiências adquiridas, levou-os a trilhar este caminho que culminará, com certeza, numa ideia, profissão ou habilidade promissora.

Por outras palavras, o mundo necessita de pessoas das mais diversas áreas, sendo que os alunos que seguirem superiormente os cursos de humanidades / turismo / relações internacionais, podem, com esforço, sorrir amplamente. Ponto. 

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Projeto: território nacional.

sábado, 23 de setembro de 2017 · Temas: , ,

Uma das nossas ideias para o próximo triénio, é levar a Geografia para fora da sala de aula, pela mão dos alunos, e mostrar o quanto é bela e importante. Temos cerca de 50 aprendizes suficientemente habituados a estas iniciativas, que nos vão ajudar a concretizar esta iniciativa: A Geografia na Rua.

EJHFWK

No âmbito da mesma, serão desenvolvidos projetos no Agrupamento de Escolas da Lixa, nos seus vários pólos, portanto, e no Concelho, envolvendo alunos nacionais e estrangeiros (ver programa Erasmus), bem como entidades locais e nacionais.

A primeira aborda o primeiro tema do programa de Geografia A, para o ensino secundário. Trata da apresentação do território nacional, das suas várias divisões e das implicâncias políticas e económicas do contexto onde se insere. Na prática, vamos colar vários mapas gigantes nos chãos da ESL, apresentando a variedade de divisões, a vários níveis, que o nosso país apresenta.

Para os protagonistas: há mais informação no Classroom, local onde terão de tomar decisões, discutir ideias e definir a melhor abordagem a tomar, neste primeiro projeto avaliável, de Geografia A / Geografia Turismo.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

A ESL situa-se em: ocorrem.genial.sinopses.

sexta-feira, 22 de setembro de 2017 · Temas: ,

Quando temos tempo, lá nos dedicamos à leitura e “ciberexploração”, e há sempre algo a descobrir! Desta vez, foi uma nova forma de localização absoluta, que não utiliza os valores de latitude e longitude, mas uma divisão do mundo em quadrados de 3x3 metros, cada um associado a três palavras, tornando-o, deste modo, único e endereçável.

image

Trata-se de um projeto da companhia what3words, que parece ter conquistado a confiança da Mercedes, que introduziu numa gama dos seus automóveis este sistema. De simples utilização, e só viável com o estado atual da tecnologia, com três palavras determinamos, neste imenso planeta, um mero quadrado de 3x3 metros. A entrada da ESL situa-se, por isso, em: ocorrem.genial.sinopses.


Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Chapéus com girassol, não há muitos!

· Temas:

Já nos conhecemos o suficiente para nos entendermos minimamente; nós e os alunos. Por isso, quando vemos um motivo / sugestão lançado por um aluno, neste caso a Mariana Teixeira, simplesmente avançamos. A ideia da Mariana, consiste na idealização de um chapéu para a venda, e usar na venda, de girassóis. Adoramos, pesquisamos, e encontramos “ideias” disparatadas, viáveis e porreiras.

Chapéus Ninhos!

Digam lá se a solução “bê” ou E, não ficava “a matar” agora pelo frio. Imaginem só a figuraça que não fariam, ali para os lados do bar da escola, no intervalo das “10”… Não obstante a brincadeira, as “soluções” A, C e D, são viáveis e sexys, até. Decidam lá pelo fórum.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Chegou ameno, chegou o outono!

Já tínhamos sentido a diminuição dos dias. O fim da tarde já não é o mesmo desde o início do mês, e aquele sol saboroso das sete em diante, já não se faz sentir. É o outono que se foi acomodando, preparando os aposentos, e vai-se instalar hoje a partir das 21h02 em Portugal Continental.

Previsão do Estado de Tempo 22sete_1out2017

Quanto ao estado do tempo, e segundo a previsão da estação meteorológica da ESL, a semana promete ausência de chuva, céu pouco nublado, temperaturas diurnas amenas, noites e manhãs frescas.

É a altura em que acordamos sem saber o que vestir, pois se a malha aconchega de manhã, atrapalha durante a tarde, e volta a ser útil ao cair do dia.


Fonte: Observatório Astronómico da UL.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

O caderno do Tomás, “zás e trás”.

quinta-feira, 21 de setembro de 2017 · Temas: ,

Um dos melhores caminhos para nos envolvermos com uma disciplina, é escrevendo-lhe, dizendo-lhe coisas bonitas. Fazemos isso com a Geografia. Ligamos o portátil, carregamos o editor e começamos. Na maior parte das vezes, não sabemos onde vamos parar, e daí a magia desta coisa bela e solta que é a escrita.

20170920_085031_HDR

Por isso, hoje, escrevermos  sobre o caderno do Tomás (nome fictício), que é usado e “zás e trás”, onde as palavras escasseiam e não lhe dão o devido e ordenado sentido. A pobre folha, sobrevivente de um caderno a sério, luta na intempérie das aulas, amontoa palavras e, com jeitinho resistirá até ao fim do período onde, talvez as notas natalícias lhe deem um destino e um substituto digno. Amém.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

A temperatura e a chuva, tardia, de agosto.

domingo, 17 de setembro de 2017 · Temas: ,

Agosto foi, como esperado, um mês quente, mas sem as vagas de calor do mês passado ou do período homólogo de 2016. A temperatura máxima atingiu 43,4ºC, no dia 21, e a mínima desceu aos 11,8ºC na madrugada do dia 9.

Comportamento térmico e pluviosidade do mês de agosto 2017 MeteoESL.png

Como é faceta deste mês climático, a chuva, quando ocorre, é concentrada em dois a três dias. Choveu entre 28 e 30 de agosto, num total de 25,1 mm. Um valor escasso, face à secura que o país atravessa.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

A Terra vista de Saturno.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017 · Temas: ,

Sempre tivemos curiosidade em olhar para o nosso planeta a partir das “imediações” de um outro planeta do sistema solar, para ser visível a olho nu, neste caso, Saturno. Trata-se de uma fotografia obtida pela sonda Cassini, que está próxima do seu canto do cisne, quando em breve se desintegrar na atmosfera do gigante gasoso.

Saturno e os seu anéis, em primeiro plano. E ao longe, a Terra, assinalada com uma seta Em primeiro plano, Saturno e os seu anéis. Ao longe, assinalada por uma seta, a Terra. A imagem foi obtida pela Cassini, a 19 de JPLNASA

Neste planeta de “anéis”, o segundo maior do sistema solar, os anos letivos têm uma duração de cerca de 8069 dias, mais ou menos 3/4 de um ano (saturnal), tal como na Terra e, por conseguinte, as férias “grandes” duram, nada mais, nada menos, do que 2690 dias! Ou seja, 7,3 anos terrestres! Arre!

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

O primeiro dia de aulas!

terça-feira, 12 de setembro de 2017 · Temas: , ,

Mais ou menos escrito na primeira pessoa que fomos, somos, ou recordamos. Nunca é fácil voltar às aulas, por muito que da escola se goste! E dissemos bem: escola, e não propriamente aulas, pelo menos algumas…. Depois de meses de rotina preguiçosa, levantar cedo ou, pior, deitar cedo, é um esforço gigantesco que ninguém compreende... é brutal! É quase como correr uma maratona todos os dias. Não se faz e devia ser proibido.

Calvin Regresso à Aulas

O ideal seria uma espécie de estágio vespertino, durante um a dois meses, ao fim dos quais, e aí sim, poderíamos pensar em acordar e tomar banho antes do almoço. Assim, lá para o natal, estaríamos aptos ao “regresso às aulas”.

Mais, ter de decorar o caminho para a sala de aula, a própria sala de aula, os nomes dos funcionários e dos professores, tudo em menos de uma semana, é simplesmente violento! Se, pelo menos, os nomes fossem fixes como no  Warcraft, tipo: “Ingo Torp” (prof de geografia) ou Zenobia Kimberly (prof. de Inglês), a “coisa” era um bocadinho mais fácil… Agora assim. Bah!

Depois há o problema da comida. Em casa há sempre o armário das bolachas e o frigorífico para atacar. Na escola temos o bar, onde enfrentamos uma fila medonha, e a cantina com especialidades tipo: massa de cavala ou hambúrguer de peixe em pão, tudo acompanhado por água e gelatina de sabor a tutti-frutti. Uma delícia…

Enfim! Apesar deste “Bah!”, ainda bem que voltamos ao que nos define e molda: a escola. Sem ela, os nossos pares, professores e atividades, nada eramos. Por isso, ainda bem que começaram as aulas, mesmo que tenhamos de acordar cedo!

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Por que é que Portugal não é atingido por furacões.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017 · Temas: , ,

Antes de irmos aos furacões, que se designam por tufões nos países banhados pelo Oceano Pacífico, falemos da milenar ocupação humana do globo terreste. Os nossos antepassados, quando se tornaram bípedes, e num processo de centenas de milhar de anos, migraram pelos continentes, estabelecendo-se onde abundava de alimento e onde encontraram um certo conforto climático.

Ciclones em 11 de setembro de 2017

Hoje, paradoxalmente, o Homem habita áreas climaticamente inóspitas, muitas das vezes remotas, onde fatores económicos, históricos  e ou estratégicos, ditam a sua difícil fixação. De facto, não obstante a tecnologia do século XXI, a máquina climática da natureza ainda não foi domesticada, atuando, por vezes, com a força de um animal atiçado pela poluição atmosférica.


Não admira então, que a Europa, a nossa Península, e nomeadamente toda a bacia do Mediterrâneo, tenha sido o berço da civilização ocidental. Tal não foi por acaso. As curtas distâncias, um mar calmo e um clima temperado, ditaram a fixação do Homem nesta região, que viu florescer civilizações como a Egípcia, Fenícia, Grega ou Romana.

Mas, voltando ao tema deste artigo, a ausência de fenómenos climáticos extremos nesta nossa região, como os furacões que atingem a costa leste do continente americano, deve-se à circulação geral da atmosfera. Por outras palavras, e de um modo simplificado, ao efeito que o movimento de rotação da Terra induz na circulação dos ventos, na sua viagem atlântica entre altas e baixas pressões.

No mapa anterior, verifica-se que na região equatorial do Oceano Atlântico, convergem ventos denominados de alísios provindos de norte e sul, ambos nascidos em anticiclones subtropicais. Por sua vez, o movimento de rotação da Terra, oeste-este, provoca naqueles um desvio para oeste (efeito de coriolis) que arrasta furacões para ocidente, como o Irma e o José, que decorrem no momento.


Fontes: Smithsonian National Museum Of Natural History // EarthWindMap

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Se não fora, mais valia vender o país!

quinta-feira, 7 de setembro de 2017 · Temas: , ,

Se há uma vaga de turismo e a imigração, sobretudo de reformados provenientes da Europa Ocidental não é um fenómeno menor, muito terá que ver com a qualidade de vida que o nosso país manifesta em múltiplos aspetos, tais como: ofertas de lazer, felicidade e segurança.

Pandilha Qualidade Vida

A constatação é patente num inquérito realizado pela InterNations, uma comunidade on-line que agrega residentes estrangeiros com poder de compra e qualificações elevadas, a cerca de 125 mil pessoas em 188 países. Segundo os resultados apurados, «Its popularity [Portugal] among […] is largely due to its temperate climate and widely available leisure activities».


Fontes:  internations.org // Jornal Público em 6 de setembro de 2017.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Quando a criatividade “Matters”.

terça-feira, 5 de setembro de 2017 · Temas: ,

Trazemos hoje um ótimo exemplo daquilo que apregoamos com frequência: a urgência da criatividade. Trata-se de uma ideia da arquiteta Ana Lima, que utiliza «[…] desperdícios da indústria agro-alimentar portuguesa para a criação de objectos de design sustentáveis».

matter1 (1)

Ou seja, imaginem tampos de mesa, mobiliário e objetos de decoração, feitos de casca de arroz, borras de café e repiso do tomate, todos subprodutos desperdiçados por aquela atividade indústrial. É uma bela de uma ideia, não é? Pois é! E por sê-la, foi escolhida para participar num bootcamp, promovido pelo gigante do mobiliário, IKEA. Diferenciador e prometedor!


Fontes: UPTEC - Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto // P3 em 30 de agosto de 2017.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Ideia gira, girassol!

segunda-feira, 4 de setembro de 2017 · Temas: , ,

Neste verão, estudamos os girassóis. Mirámo-los ao sol, esboçando atabalhoadamente uns quantos num caderno que serve para quase tudo, e vimo-los dançar, muito lentamente, ao sabor do astro. Na página seguinte, rabiscamos ideias, escrevemos muitas, apagamos e voltamos a rabiscar. Funcionamos assim, e assim fizemos nascer esta: «Ideia gira, girassol!».

1

Ainda há muito a refinar nesta “ideia”. Há, no entanto, uma certeza apurada, uma necessidade, vá lá: juntar em torno de (nova) atividade, os vários elementos dos “Ninhos” que se dispersaram por várias turmas e, até mesmo, várias escolas.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This