O erro de Vivaldi.

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012 · Temas:

Escrevi há uns dias sobre a seca que temos assistido no nosso país, neste período normalmente pluvioso de Inverno. Contudo, e ao que parece, a crise económica, o futebol e alguns casos mediáticos de ocasião, tem-se sobreposto a um drama que ninguém parece querer ver ou entender. Reparem no seguinte, a precipitação dos meses de Janeiro e Fevereiro, que normalmente contribuem com cerca 20% da precipitação média de uma região como o Porto (uma situação mais ou menos extensível ao resto de Portugal Continental), foram, neste ano, praticamente inexpressivos neste fenómeno.

Precipitação Porto Serra Pilar

Perante isto, venha uma primavera chuvosa que tudo compensará, dirão os mais incautos. Infelizmente não é assim tão simples! Do ponto de vista agrícola, há culturas que estão irremediavelmente afetadas ou mesmo perdidas. Os pomares de citrinos, por exemplo, apresentam frutos de muito baixo calibre e as pastagens para o gado escasseiam. No que toca à produção energética, os custos de produção aumentaram, dadas as necessárias importações de combustíveis fósseis, que colmata os défices de produção hidroelétrica.

A água, como bem, também não escapa a esta carência, sendo que há Concelhos a utilizar, em pleno inverno, as reservas que deviam ser utilizadas no verão.

Perante isto, que ninguém ouse afirmar que 20% de precipitação a menos é algo superável pelas eventuais chuvas da primavera. Não é! Nem que chova o dobro do que é normal. O ritmo biológico da natureza, e a própria economia, não se compadecem com este desaparecimento de estações bem vincadas e incaracterísticas.

Os climatologistas e outros especialistas do tema têm sempre muita resistência em admitir estas mudanças. Os valores médios e as normais climatológicas escondem muitas das vezes aquilo que todos nós, empiricamente, vemos e sentimos.

Se fosse hoje, Vivaldi não teria escrito quatro músicas sobre a dança das estações, quanto muito duas. Se o fizesse, seria um erro.


Fonte: Instituto de Meteorologia.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

A translação terrestre e duração de um dia natural.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012 · Temas: ,

A propósito das aulas do 7º Ano, que normalmente acabam numa avalanche de perguntas, e a mim me motivam deveras, ficam aqui duas animações em flash, sobre o movimento de translação da Terra e a sua consequência na duração de um dia natural.

Repara que a duração de um dia natural é resultado do movimento de translação da Terra. Deste modo, este movimento é responsável pelas variações diurnas, anuais e da intensidade da radiação solar e, em consequência, da temperatura.

Devido ao movimento de translação da Terra, o Sol descreve as suas órbitas diurnas aparentes, em volta da Terra, entre o Trópico de Câncer e o Trópico de Capricórnio (linhas imaginárias assinaladas a verde), nunca passando para além destes paralelos. Assim, para se entender a variação anual da radiação solar, é importante frisar que esta é diferente conforme se trate das zonas extratropicais ou da zona intertropical.

Assim, do solstício de Dezembro ao solstício de Junho, o Sol movimenta-se para norte, até atingir o Trópico de Câncer logo, o ângulo de incidência ao meio-dia-solar vai aumentando, ao mesmo tempo que diminui a massa atmosférica. Por outro lado, a duração do dia natural aumenta, do que resulta um aumento da quantidade diária de radiação solar. A situação intermédia, em termos de radiação solar recebida, acontece quando o Sol está sobre o equador - equinócio - momento do ano em que, em todos os lugares da Terra, o dia e a noite têm a mesma duração. O primeiro equinócio ocorre em 21 de Março.

No solstício de Junho (data em que o Sol se encontra sobre o Trópico de Câncer e, portanto, o mais a norte possível), o ângulo de incidência e a duração do dia natural atingem o seu valor máximo e a massa atmosférica o mínimo, pelo que a radiação solar recebida atinge o seu valor mais elevado.

Do solstício de Junho ao solstício de Dezembro, o Sol desloca-se para sul. Em consequência, diminui o ângulo de incidência e a duração dos dias e aumenta a massa atmosférica, logo diminui a radiação solar recebida.

Em 21 ou 22 de Setembro dá-se o segundo equinócio - momento a partir do qual a duração do dia passa a ser inferior à da noite.

No solstício de Dezembro (quando o Sol se encontra no Trópico de Capricórnio e, por isso, o mais a sul possível), o ângulo de incidência e a duração dos dias atingem o seu mínimo e a massa atmosférica o seu valor máximo, daí a radiação solar recebida atingir o seu valor mais baixo.

No hemisfério sul tudo se passa de modo inverso e, portanto, os períodos de menor radiação solar serão até ao solstício de Junho, assim como os períodos de aumento de radiação solar se verificam do solstício de Junho ao solstício de Dezembro (altura em que este atinge o seu valor mais elevado).

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Adoção homoparental: sim ou não?

· Temas:

Foi chumbada na passada semana pela Assembleia da República, dois diplomas do Bloco de Esquerda e dos Verdes, que previa a adoção homoparental. Do que se trata? Segundo o wikipédia “é a adoção de crianças por homossexuais, bissexuais e transgéneros (LGBT) [que] pode ser na forma de uma adoção conjunta por um casal do mesmo sexo, adoção por um dos parceiros de um casal do mesmo sexo de outro filho biológico e a adoção por uma única pessoa LGBT.»

Adoção

Ora, a adoção por casais do mesmo sexo é legal em 14 países, bem como na esfera jurídica de vários outros. Adoção por casais do mesmo sexo é, contudo, proibida pela maioria dos países, embora muitos debates na jurisdição ocorrem para permitir isso. A principal preocupação manifestada por aqueles que se opõem à adoção LGBT é a questão de saber se casais do mesmo sexo têm a capacidade de ser pais adequados. Sendo que o principal argumento na viabilização deste tipo de adoção, é o "superior interesse das crianças", referindo-se que milhares de menores vivem em instituições à espera de serem adotados por uma família.

Ora, perante estas duas posições, há que questionar:

  • Será uma criança mais feliz num lar, mesmo com pais do mesmo sexo?
  • Será que uma criança crescerá equilibrada no seio de um lar com dois pais ou duas mães?
  • Será que a sociedade está preparada para esta situação ou a criança debater-se-á com bastantes dificuldades e entraves de adaptação / integração?
  • Não teremos, no séc. XXI, de entender este tipo de adoção como como algo natural?
  • Estaremos, deste modo, a inverter a lógica das coisas ou isto é apenas um preconceito?

Ora, poderás debater todas estas questões, e outras, no Geodilema. Dá lá um salto, deixa a tua opinião e não deixes que os outros pensem por ti.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

A verdadeira crise.

sábado, 25 de fevereiro de 2012 · Temas: ,

Segundo o Instituto de Meteorologia, em 15 de Fevereiro passado, a situação de seca agravou-se em termos de intensidade estando agora 75% do território nas classes de seca severa e extrema. Ainda segundo a mesma fonte, nos primeiros quinze dias de fevereiro, os valores de precipitação voltaram a ser muito inferiores ao normal (1971-2000), verificando-se um aumento considerável da área em situação de seca.

Segundo o meteorologista Costa Alves, citado pelo Jornal de Notícias em finais de Janeiro, «Portugal continental poderá enfrentar uma situação de seca extrema em Fevereiro, caso se mantenha a falta de precipitação verificada em Janeiro». Ora, o mês de Fevereiro está quase a finalizar e em certas regiões de Portugal Continental, o valor de precipitação foi nulo.

Portugal Seca Fev152012Esta ausência de chuva, num dos meses mais pluviosos do ano, é por si só, sintoma da extrema gravidade da situação que atinge toda a região continental do país, e que nem por isso tem merecido até ao momento, o devido enfoque político e noticioso.

Bragança, por exemplo, é hoje uma cidade abastecida pela única reserva de fornecimento de água à população, a albufeira da barragem da Serra Serrada, o que significa que a cidade ficará sem água para o verão se não chover abundantemente.

Analisando o mapa de distribuição do índice PDSI (balanço da água tendo em conta dados da quantidade de precipitação, temperatura do ar e capacidade de água disponível no solo), verificamos que o Litoral Norte encontra-se numa situação de seca extrema, Trás-os-Montes e uma faixa dilatada da raia beirã, apresenta uma situação de seca moderada, sendo que o restante território continental, está numa situação de seca severa.


Fontes:

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Há flores que nunca murcham, mas são de plástico.

· Temas: ,

Desde de novo aprendi que errar, e aprender com isso, é melhor do que viver na ignorância e não evoluir. Este ensinamento, embora eficaz e necessário, é feito à custa de custa de decisões que implicam, muitas das vezes, a necessidade de abdicar daquilo que nos dá gozo e prazer. No fundo, este processo tem um nome, chama-se aprender com os erros.

Ora, a propósito da participação da equipa Lixa no concurso nos@europe, e após três etapas já cumpridas com mérito, a necessidade de um esforço coletivo, onde as ideias sejam pensadas em comum, torna-se imperioso. É neste sentido que com naturalidade, e regularidade, surgem os conselhos e apelos ao trabalhos, em jeito de balanço pós-reunião, que servem acima de tudo, para acicatar o esforço e o empenho. É este o meu papel e a inteligência acata-o. Segunda-feira veremos se o projeto vai avante.

EquipaLixa Noir

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

A Noite dos Óscares EFA.

domingo, 19 de fevereiro de 2012 · Temas: ,

Os tempos não correm “a jeito” da folia e da brincadeira, é certo, mas a bem do equilíbrio e sanidade mental da sociedade, há momentos em que esta necessita de comungar de uma espécie de exorcismo coletivo, onde as tensões diárias se expurguem com sarcasmo e ironia. Isto, apesar dos apelos à seriedade, emanados ao mais alto nível. A festa, o Carnaval, é assim um destes momentos de subconsciência coletiva de liberdade, onde “tudo vale”.

Na passada sexta-feira, os alunos das várias turmas EFA da Escola Secundária da Lixa, deram aso à tal liberdade e criaram, numa só noite, um duplo espetáculo: uma gala de atribuição de prémios, mais ou menos cinematográficos, e um concurso de máscaras com categorias quase inenarráveis.

Da memória ficam os vencedores, os apresentadores, o ilustre júri, a coreografia das meninas do convento, um inédito cortejo fúnebre que pelos vistos enterrou o país, vários padres e até a morte que inclusivamente foi entrevistada e não confirmou o óbito da nação. De facto, apesar de moribundo, o país sobrevive e aprende que em coletivo funciona, mesmo que seja “a jeito” da brincadeira. Ficam as fotos.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Bloco I e Sala de Professores.

Se há dois lugares incontornáveis numa escola que espelham bem como ela funciona, esses são sem dúvida o átrio do principal bloco de aulas e também a Sala de Professores. Faltavam precisamente estes dois espaços à coleção fotográfica, iniciada há cerca de um ano pelo Geopalavras 360º, que pretendeu cobrir com fotografias de grande ângulo, todos os espaços de referência da antiga ESL. Com estes dois, fica constituída uma espécie de memória futura daquilo que foi o antigo edifício desta escola.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

A foto.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012 · Temas: ,

Existe uma fotografia na Direção da nossa escola que, neste derradeiro dia, assume uma relevância singular. Trata-se de uma fotografia aérea do recinto da escola, que nos surge ainda com o polivalente, cantina e outros espaços já demolidos.  Esta foto foi adquirida pela Professora Margarida Sousa a um fotógrafo forasteiro, que se dedicava a fotografias do género, e tem resistido ao passar dos anos na direção da escola.

A fotografia terá cerca de 27 anos, e é possível verificar as diferenças com a situação atual: o parque arbóreo que bordeja toda a escola, ainda não se notava; os edifícios que se situam na fachada oeste e este quase não existiam; não existia um bloco 2 e o terreno de implantação da escola não tinha o gradeamento que hoje a resguarda (versão de grande resolução para download aqui).

ESL 1986

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Tatuagens e piercings: uma moda, uma afirmação ou um arrependimento?

domingo, 12 de fevereiro de 2012 · Temas: ,

Se percorrermos uma das nossas Escolas Secundárias, é difícil deixar de reparar na quantidade de alunos (dos mais novos aos mais crescidos), que usam algum tipo de piercing e ou tatuagem. Ao que parece, está na moda e a juventude, e não só…, impulsionada por muitas estrelas da música e futebol, protagonizam uma forma de estar, assumidamente diferente em relação às gerações dos seus pais e avós.Imagem2

Há cerca de 3 anos atrás, o deputado Renato Sampaio, apresentou um projeto de lei, que previa que os jovens menores de idade, ficassem proibidos de fazer uma tatuagem ou colocar determinados tipos de piercings (na língua, na boca, na proximidade de vasos sanguíneos, nervos músculos e sobre quaisquer lesões cutâneas; quanto a materiais, seriam proibidos piercings de prata e revestidos a ouro). Defendia que "um jovem pode gostar e decidir fazer uma tatuagem sem medir as consequências, mas terá de ficar com ela para sempre".

Para além da questão estética, o objetivo daquele projeto de lei, visava introduzir regras para o exercício da atividade de tatuador, definindo quais os materiais e utensílios que poderiam ser utilizados, quer na aplicação dos adornos, quer na fase de cicatrização. Pretendia-se, dessa forma, reduzir o risco de complicações como infeções, reações alérgicas, rejeição da peça e cicatrizes.

A lei não foi avante. A moda impera e, em muitos casos, à revelia de pais que definitivamente não se reveem naquilo.

Ora, perante isto, importa perguntar:

  • Terão os jovens menores, sem a devida experiência de vida, capacidade para decidir fazer algo tão marcante no corpo?
  • Mesmo que as tatuagens e / ou piercings sejam feitos já na maior idade, não serão porventura um obstáculo na obtenção de um emprego, por exemplo?
  • Os piercings e as tatuagens conduzem ao mesmo fim, ou seja, marcar a diferença. Ou são coisas diferentes?
  • Este tipo de moda não passará disso mesmo, algo passageiro mas sem retorno?
  • Não serão os piercings e / ou as tatuagens uma forma de chamar à atenção e esconder a baixa auto-estima?

Ora, poderás debater todas estas questões, e outras, no Geodilema. Dá lá um salto, deixa a tua opinião e não deixes que os outros pensem por ti.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Taumatawhakatangihangakoauauotamateapokaiwhenuakitanatahu!

· Temas: ,

O nome desta colina de 305 metros de altura, próxima de Porangahau na região meridional da Baía de Hawke, Nova Zelândia, realça uma das grandes potencialidades na internet, a descoberta! Por aqui ou por acolá, derivando ao sabor do que aparece, é frequente encontrarmos coisas que até nem servem para grande coisa, mas que são curiosas, são!

Ora, o nome desta colina é tido como um dos maiores do mundo, pelo menos na língua inglesa (e talvez mesmo em português), e significa, segundo o sítio LinguisticFun, o local onde Tamatea, um homem de grandes joelhos, tocou flauta para a sua amada (nada mais romântico e é quase certo que a amada possuía uns grandes cotovelos…).

Nova Zelândia

Contudo, não se pense que este nome é o campeão do tamanho… nem pensar! Se não acreditam, vejam lá o seguinte:

Krungthepmahanakonbowornratanakosinmahintarayudyayamahadiloponoparatanarajthaniburiromudomrajniwesmahasatarnamornpimarnavatarsatitsakattiyavisanukamphrasit.

Conseguiram pronunciar a palavra sem parar para respirar umas 10 vezes? Duvido! Fiquem a saber que este é o modo como se pronuncia Baguecoque, capital da Tailândia, em tailandês, e é considerado pelo Guinness Book of Records, como o maior nome do mundo. Perante isto, eu nem  me atrevo a perguntar, por exemplo, como é que se pronuncia otorrinolaringologista ou constitucionalmente em tailandês… Assim, a avaliar pelo tamanho das palavras, o povo deste país deve gastar fortunas ao telemóvel para dizer coisas simples como: vou chegar atrasado ou vou comprar pão! Imaginem mesmo uma aula de Geografia em tailandês, deve durar horas…

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Dados climatológicos do mês de janeiro.

· Temas:

Nesta análise não será tida em conta a precipitação, dada a inoperância do udómetro da MeteoESL. Neste momento, o udómetro encontra-se avariado e em processo de reparação. Deste modo, só serão tidos em conta os dados relativos à temperatura, vento, pressão atmosférica e humidade atmosférica.

O mês de janeiro caracterizou-se pela sua secura (muito embora não tenhamos dados desta evidência), baixas temperaturas mínimas e pontualmente alguns dias com temperaturas máximas algo inusitadas para o mês. A temperatura máxima deste mês ocorreu no dia 19, pelas 15:30h, tendo-se atingido o valor de 18,9ºC. Já o valor médio das temperaturas registadas foi de 8,2ºC, sendo que o valor mínimo ocorreu no dia 12, pelas 6:24h, com o valor de -0,6ºC (ver Boletim Climatológico de Janeiro 2012).

A humidade relativa variou entre os 100% (valor ocorrido várias vezes) e os 37% ocorridos nos dias 28, 29 e 30, coincidente com a direção do vento que soprava tendencialmente de SE - SSE.

médiajan2012

Especificamente quanto à temperatura, se a primeira semana do mês nos surgiu com temperaturas mínimas a variar entre os 7ºC e os 9ºC, o mesmo não se verificou entre os dias 6 e 19, onde as temperaturas mínimas desceram sempre abaixo do 5ºC, atingindo mesmo valores negativos.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Buracada.

sábado, 11 de fevereiro de 2012 · Temas: ,

Esta interessantíssima reportagem é mais uma excelente demonstração do sentido crítico das nossas repórteres. Desta feita, criticam o modo como o arranjo de uma artéria da Cidade da Lixa tem vindo a ser conduzido: de uma forma muito demorada e com bastantes buracos à mistura. Porque é que não se faz tudo de uma só vez? Porque é que as entidades intervenientes não se coordenam? Porque é que o condutor e o peão se têm de sujeitar a isto…

 

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Parados no Trânsito.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012 · Temas: ,

A terceira edição do Támal estreia-se com um pequeno clipe musical – Parados no Trânsito – que nos prova um exímio uso da música em prol do ambiente. De facto, quando usada com mestria, a música é um instrumento poderoso e profundo, que consegue alcançar quase todos, mesmo os mais indiferentes. Excelente adaptação, pertinente quanto baste, fica aqui o início desta edição 2012 do Támal.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Uma delícia chamada Portugalex.

terça-feira, 7 de fevereiro de 2012 · Temas: ,

Há poucas coisas no panorama nacional televisivo e radiofónico, que de momento me fazem rir. Há uns anos valentes, tínhamos o Herman, pioneiro de um certo tipo de humor que, com encarnações muito estereotipadas, marcou indelevelmente a nossa sociedade. De facto, quem assistiu, jamais se esquecerá de José Estebes (percursor do exagerado sotaque à moda do pôrto…como se todos nós falássemos assim), Maximiana (habitante da Merdaleja), ou de Diácono Remédios, uma personagem sarcástica, que punha em causa o suposto puritanismo da igreja.

Esgotada a fórmula Herman, surgiram no nosso país uma série de novos valores humorísticos, impulsionados pelo fulgor televisivo que então se implantara. Programas como o Levanta-te e Ri ou o canal de televisão SIC Radical, assistiram ao nascimento dos Gato Fedorento, Fernando Alvim ou Bruno Nogueira, exemplos de uma abordagem muito mais refinada e criativa do humor, onde a aliança entre o nonsense e a inteligência crítica imperava.

Na verdade, quem assistiu aos primeiros passos dos Gato Fedorento, ficou maravilhado com a novidade da abordagem que, de certo modo, rasgava com o passado e conquistava uma juventude que já não se identificava com o Herman ou o Nicolau Breyner e outros humoristas daquela geração. Estávamos no tempo da massificação da Internet, do Youtube, das televisões por cabo e o que se passava lá fora, ecoava cá dentro,  retirando sentido a uma abordagem do humor então já desfasada no tempo.

Por detrás de muitos destes sucessos humorísticos esteve, e está, a produtora Produções Fictícias, que debita qualidade, com emissões diárias na Antena 1 e Antena 3, através do programa Portugalex. Esta delícia diária faz bem, recomenda-se e fascina pela incrível mistura de “cromos” que escrutinam o panorama nacional de uma forma mordaz. É muito bom e recomenda-se a quem, por exemplo, anda numa fase de teste e exames.

Para esses e não só, fica aqui um doce… com o Professor Martelo a traduzir Cavaco; o rapaz do Continentezzzz; o Ministro Vítor Gaspar a querer taxar os implantes mamários de uma da participantes nas Casa dos Segredos; um estudo sobre a dieta do Fernando Mendes, etc.… ouçam!

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Envelhecer na solidão: uma inevitabilidade?

sábado, 4 de fevereiro de 2012 · Temas: ,

Portugal é um dos países mais envelhecidos do Mundo e grande parte dos seus cidadãos com mais de 65 anos vive isolado e na pobreza. Se em 1960 a população com mais de 65 anos era de 709 mil indivíduos; hoje são dois milhões e 23 mil. Em 50 anos houve um acréscimo de mais de um milhão de idosos. "Significa que a longevidade é maior e que há melhores condições de vida e melhores cuidados de saúde", resume a demógrafa Maria João Valente Rosa. O problema não está no envelhecimento. Está no facto de não haver mais nascimentos e no facto de a sociedade não saber lidar com os mais velhos. "Excluímo-los das nossas empresas, quando, muitas vezes, ainda se sentem completamente capazes", retrata.

De facto, cerca de 400 mil idosos vivem sozinhos, segundo indica o Instituto Nacional de Estatística, numa altura em que se repetem as mortes desta população devido à falta de acompanhamento e numa altura em que o frio mata a população mais vulnerável, precisamente os idosos.

Solidão

Estes dados foram obtidos após a análise dos Censos 2011, segundo os quais 400.964 idosos vivem sozinhos e 804.577 residem exclusivamente com outras pessoas com 65 anos ou ainda mais velhas, o que corresponde a cerca de 60 por cento da população idosa em Portugal.

Assim, perante isto, há várias questões que se levantam:

  • A questão da solidão na 3ª Idade é um problema novo na nossa sociedade ou sempre foi assim: uma inevitabilidade?
  • Ser idoso nos dias que correm, e apesar de alguma solidão, não é sinónimo de maior longevidade, assistência médica e mais conforto?
  • Não será a solidão um problema transversal a muitas camadas sociais / etárias da nossa sociedade?
  • Se a solidão na 3ª Idade é um problema novo, como minorá-lo?
  • As cidades, por si só, não são sinónimas de solidão?

Ora, poderás debater todas estas questões, e outras, no Geodilema. Dá lá um salto, deixa a tua opinião e não deixes que os outros pensem por ti.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Frio! Frio! Frio!

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012 · Temas:

- Por Professora Emerência Raquel.

De acordo com a Wikipédia o frio (do latim frigĭdu) é a sensação produzida pela falta de calor num corpo ou matéria, causada pela baixa temperatura atmosférica ou por meios artificiais através de refrigeração. O frio é um processo sensorial.Frio

Ora, frio é algo que todos os portugueses sentirão nos próximos dias, especialmente durante a noite, e em particular entre sexta-feira e sábado, quando a onda de frio que varre a Europa, atingir o nosso país, colocando o território continental de Portugal em alerta de frio. Bragança, Braga, Vila Real, Beja, Portalegre, Castelo Branco, Évora e Aveiro são os distritos que estarão sob alerta laranja, enquanto os restantes distritos do Continente se encontrarão sob alerta amarelo.

Assim, nos próximos dias, todo o cuidado com o frio será pouco, e por isso mais vale prevenir que remediar, adotando as medidas de autoproteção recomendadas pela Direção Geral de Saúde:

  • Evitar a exposição prolongada ao frio e às mudanças bruscas de temperatura;
  • Utilizar várias camadas de roupa, folgada e adaptada à temperatura ambiente;
  • Ingerir sopas e bebidas quentes, evitando o álcool que proporciona uma falsa sensação de calor;
  • Proteger as extremidades do corpo usando luvas, gorro, meias quentes e cachecol.
  • Os trabalhadores que exerçam atividades ao ar livre devem ter especial atenção com a proteção em termos de vestuário e devem evitar esforços excessivos resultantes dessa atividade.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Janeiro na ESL.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012 · Temas:

O título quase parece um daqueles slogans que promovem um destino de sonho e sol. Mas não é! Trata-se simplesmente de um pequeno retrato do quotidiano da escola que, por estes dias, está mais fria do que nunca e o sol sabe ainda melhor.

ESLJAN2012-026ESLJAN2012-015ESLJAN2012-024ESLJAN2012-003ESLJAN2012-007

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This