PeddyPaper: "À Procura da República".

domingo, 26 de setembro de 2010 · Temas: , ,

Aproxima-se o dia 5 de Outubro, data do centésimo aniversário da implantação da República no nosso país e, como não poderia deixar de ser, a nossa escola sinalizará esta importante data com uma série de actividades comemorativas que irão decorrer no dia 4 de Outubro durante a tarde e para as quais tu estás patrioticamente “convidado” a participar!

Uma dessas actividades é o fantástico PeddyPaper: “À Procura da República”! Queres concorrer? É simples… forma uma equipa de 6 concorrentes (3 meninas e 3 rapazes que podem pertencer a turmas diferentes), inventa-lhe um nome impecável e inscreve-a aqui (faz o download do pdf e depois clica em submeter). Depois é só aparecer no dia 4 de Outubro (segunda-feira) pelas 15h, junto da entrada do Polivalente e zarpar! Ah! Apesar da data, era bom que trouxesses uma roupinha desportiva… 

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Os incêndios do Verão passado.

· Temas:

Neste Verão o nosso país foi mais uma vez fustigado pelos incêndios florestais que afectaram não só em Portugal Continental como também as florestas dos arquipélagos da Madeira e dos Açores.
 
De facto, não é comum ocorrerem incêndios desta envergadura naquelas ilhas atlânticas. Contudo, o clima mundial está a mudar (a aquecer) e é possível que este tipo de tragédia passe a ser também uma realidade cíclica nos locais que, à partida, pensávamos estarem mais imunes tais como as nossas ilhas. Nem sequer pensamos nelas e muitas vezes só nos apercebemos quando já é tarde e as tragédias acontecem.

Imagem de satélite no dia 12 de Agosto, com muita poeira
na atmosfera, conhecido por "tempo de leste". Na imagem do
dia 16 de Agosto, depois dos grandes incêndios, a imagem de
 satélite mostra uma mancha escura na zona central da ilha.
(fonte: meteomadeira.blogspot)

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Divisões Administrativas de Portugal.

sábado, 25 de setembro de 2010 · Temas: ,

Portugal tem uma estrutura administrativa complexa, fruto de quase um milénio de diversas divisões territoriais. Desde cedo, e à medida que a expansão portuguesa progredia com a reconquista de novos territórios, a monarquia foi exigindo uma estruturação administrativa que permitisse um permanente domínio e organização do espaço; pelo que, cedo houve tendência para demarcar os terrenos onde existissem "villas" ou outras propriedades, conforme consta em documentos medievais.

Ao longo da História de Portugal aplicaram-se diversas divisões administrativas, mas que nem sempre correspondiam a efectivas circunscrições com carácter autárquico. A primeira divisão de que se tem conhecimento baseia-se exclusivamente na localização dos principais conventos no pais, resultantes da ocupação romana, (Conventus Bracarum - sede em Braga, Conventus Scallabitanus - sede em Santarém, e Conventus Pacensis - sede em Beja). Mas o primeiro reconhecimento oficial da diversidade regional do país surge no testamento do rei D. Dinis (1279-1325) que reconhece as cinco "regiões" ("Antre Douro e Minho"; "Antre Douro e Mondego"; "Beira", "Estremadura" e "Antre Tejo e Odiana"). O seu sucessor, D. Afonso IV (1325-57), instituiu oficialmente seis comarcas, (Antre Douro e Minho, Antre Douro e Mondego, Beira, Estremadura, Antre Tejo e Odiana e Algarve). Entre o reinado de D. Afonso IV e o início do século XX são inúmeras as alterações à estrutura administrativa do país.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Dia europeu sem carros.

quarta-feira, 22 de setembro de 2010 · Temas: ,

Como é sabido, os automóveis são uma das piores fontes de poluição atmosférica. O combustível consumido pelos veículos transforma-se em energia e, nesse processo, há a libertação de gases que poluem a nossa atmosfera, agravando o efeito de estufa e provocando alterações climáticas que se reflectem em vários aspectos negativos de ordem natural e social. Efectivamente, a subida do nível médio das águas dos mares devido ao degelo, a alteração dos padrões climáticos e o aumento de fenómenos climáticos extremos, traduz-se em consequências dramáticas para a natureza em geral e para a espécie humana em particular. Desde a perda de habitações, de negócios, de dinheiro, enfraquecimento das terras e, mais importante, vidas, estas catástrofes afectam a população a nível pessoal, social e económico e ninguém neste mundo está imune.

Por isso, é sempre bom relembrar que o dia internacional sem carros é um dia muito importante porque percebemos que um simples carro pode contribuir bastante para o agravar daquela infeliz realidade. Então, neste dia tão especial, vamos fazer este mini sacrifício: não utilizarmos o nosso carro e sim andar a pé, de bicicleta, ou até mesmo de metro ou autocarro.

- Carolina Pinto, 10ºE.

Iniciativa da WWF sobre as emissões de carbono "automóvel" - China

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Nova temporada.

domingo, 19 de setembro de 2010 · Temas:

O Geopalavras está quase de volta após um prolongamento das férias maior do que era previsto. Neste momento encontra-se em balanço e readaptação a uma nova realidade que promete... Há coisas que são para continuar, para reformular ou para simplesmente para acabar. Há também imensas ideias novas que requerem tempo, paciência e dedicação e o caminho terá de ser forçosamente por aí. Inovar é a palavra-chave. Até breve!

Dança da Juventude - Pablo Picasso.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This