Envelhecer na solidão: uma inevitabilidade?

sábado, 4 de fevereiro de 2012 · Temas: ,

Portugal é um dos países mais envelhecidos do Mundo e grande parte dos seus cidadãos com mais de 65 anos vive isolado e na pobreza. Se em 1960 a população com mais de 65 anos era de 709 mil indivíduos; hoje são dois milhões e 23 mil. Em 50 anos houve um acréscimo de mais de um milhão de idosos. "Significa que a longevidade é maior e que há melhores condições de vida e melhores cuidados de saúde", resume a demógrafa Maria João Valente Rosa. O problema não está no envelhecimento. Está no facto de não haver mais nascimentos e no facto de a sociedade não saber lidar com os mais velhos. "Excluímo-los das nossas empresas, quando, muitas vezes, ainda se sentem completamente capazes", retrata.

De facto, cerca de 400 mil idosos vivem sozinhos, segundo indica o Instituto Nacional de Estatística, numa altura em que se repetem as mortes desta população devido à falta de acompanhamento e numa altura em que o frio mata a população mais vulnerável, precisamente os idosos.

Solidão

Estes dados foram obtidos após a análise dos Censos 2011, segundo os quais 400.964 idosos vivem sozinhos e 804.577 residem exclusivamente com outras pessoas com 65 anos ou ainda mais velhas, o que corresponde a cerca de 60 por cento da população idosa em Portugal.

Assim, perante isto, há várias questões que se levantam:

  • A questão da solidão na 3ª Idade é um problema novo na nossa sociedade ou sempre foi assim: uma inevitabilidade?
  • Ser idoso nos dias que correm, e apesar de alguma solidão, não é sinónimo de maior longevidade, assistência médica e mais conforto?
  • Não será a solidão um problema transversal a muitas camadas sociais / etárias da nossa sociedade?
  • Se a solidão na 3ª Idade é um problema novo, como minorá-lo?
  • As cidades, por si só, não são sinónimas de solidão?

Ora, poderás debater todas estas questões, e outras, no Geodilema. Dá lá um salto, deixa a tua opinião e não deixes que os outros pensem por ti.

Fontes:

- Jornal de Notícias de 4 de Janeiro de 2012.

- http://www.ptjornal.com

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Deixa um comentário