O upwelling e as sardinhas de S. João.

quarta-feira, 23 de junho de 2010 · Temas: , ,

A sardinha ocupa uma parte substancial no total de pescado obtido nas nossas águas. Só em 2009 as capturas rondaram as 62 mil toneladas, num montante de 43 milhões de euros, que representam mais de 40% do total do pescado na nossa Z.E.E. (Zona Económica Exclusiva).
 
O consumo deste pequeno peixe - Sardina pilchardus - com cerca de 10 a 15 cm de comprimento, remonta aos Fenícios que salgavam o peixe, como método de conservação, para o seu posterior consumo. Os Romanos também utilizaram esta técnica, fazendo transportar os alimentos salgados em ânforas, desde a Ibéria para todo o mundo romano, chegando à Península Itálica, Gália, Inglaterra e África. Sabe-se igualmente que no período muçulmano, a Sul do Tejo, se fazia a pesca ao largo, com redes próprias para a pesca da sardinha que era encontrada e capturada em grande abundância.
 
Sardinha por Gilberto Maia
 
Na Idade Média, esta iguaria disseminou-se pelo país rural através dos almocreves, que traziam de suas terras produtos do campo e do litoral levavam sardinhas, tornando-as num prato basilar da alimentação de muitas populações rurais. Deste modo, este pequeno peixe estival, entrou nas raízes da nossa história assimilando-se na literatura, no fado, nos contos e jogos populares, nos pregões e festejos, nas referências toponímicas e mesmo na genealogia, surgindo no nome de algumas famílias. A sardinha no pão é hábito que acompanha a história, uma prática dos pobres que esfregavam a sardinha assada na côdea para lhe conferir sabor e, com isso, enganar a escassez do alimento.
 
Vestíbulo de edifício na Av. Óscar Monteiro Torres, Lisboa - Lusitânia
 
A abundância da sardinha no Verão.
 
O desenvolvimento dos peixes está intimamente ligado à abundância de alimentos. O crescimento da sardinha, por exemplo, é lento no Inverno e maior no Verão e, presume-se, que a distribuição e abundância dos seus alimentos sofram variações idênticas às verificadas na temperatura e salinidade das águas oceânicas (H. Lautensach). Deste modo, a subida das águas profundas e frias (uppwelling) que se manifestam sobretudo no Verão, quando os ventos do norte e NO dominam na faixa litoral, criam condições propícias ao surgimento do alimento dos peixes. Efectivamente, a resposta das águas à impulsão do vento é rápida, não sendo preciso mais do que um dia para surgirem à superfície águas de origem profunda, fria e rica em nutrientes, em frente dos principais cabos. As águas frias escoam-se em seguida para o sul, desenhando línguas que denunciam as frentes de contacto com as águas superficiais mais quentes (Daveau).
 
 
Uma vez estabelecido, o upwelling tende a perpetuar-se, porque a faixa oceânica fresca que acompanha então o litoral torna mais forte a brisa do mar (Nortada), que chega a soprar quase permanentemente nas camadas inferiores da atmosfera. Sob a acção da força de Coriolis, a brisa acaba por correr quase paralelamente ao litoral, ajudando assim à manutenção do upwelling.


Ora, este fenómeno de afloramento costeiro tem como consequência, para além do arrefecimento das águas (bastante conhecida do veraneantes nortenhos), o seu enriquecimento em sais nutrientes (nitratos, fosfatos e silicatos). Isto acontece porque as águas profundas, que estão a ser levadas para a superfície, têm maior concentração desses sais do que as próprias águas da superfície. Então teremos grande quantidade de nutrientes a ser levada para uma camada onde a radiação solar consegue penetrar, ou seja, teremos as condições ideais de alimento e luz para o desenvolvimento do fitoplâncton.
 
E este aumento da produtividade primária (primeiro elo da cadeia trófica) vai levar ao desenvolvimento de toda a restante cadeia alimentar, desde o zooplâncton até aos peixes e outras espécies marinhas que se alimentam do plâncton ou de outros peixes, como a sardinha, num elo mais acima.
 

Fontes:
- Centro de Oceanografia da FCL
- Suzanne Daveau, Hermann Lautensach – “Geografia de Portugal” – vol. I, ed. JSC. 1995 
- Ana Clara e Sara Pelicano - http://www.cafeportugal.net
- Wikipédia

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Deixa um comentário