Umbrella: um projeto cultural e científico.

quarta-feira, 7 de agosto de 2019 · Temas: ,

Relendo o projeto de candidatura conjunta que fizemos a este projeto multinacional, constatamos a sua amplitude cultural e veia ambiental. Foi esta última que nos atraiu logo à partida, por incidir numa área tão sensível e pertinente como é o clima, cujos conteúdos encaixam em disciplinas como a Geografia, mas sobretudo, por possibilitar aos alunos, um modelo diferente e inédito de abordagem científica.

Projeto UMBRELLA - A

Para isso, e em projeto, definimos a instalação de uma rede de 5 estações meteorológicas automáticas amadoras, em 4 escolas básicas do concelho, não necessariamente do Agrupamento de Escolas da Lixa, e uma numa entidade privada o Hotel Monverde. A sua localização foi definida de acordo com as características geográficas das suas localizações. Atendemos à morfologia circundante, aos ventos dominantes, exposição solar e ao edificado. Em funcionamento, prevê-se que possa fornecer um conjunto de dados climatológicos que se traduzam em mapas, gráficos, pequenas análises de cariz analítico e sistemático, eventuais problemas, soluções que, em última análise, sensibilizem jovens para o problema climático.

Mas note-se, o Umbrella é também um projeto iminentemente cultural. Começa na necessidade de usar a língua inglesa, talvez a ferramenta mais importante do projeto, apela à partilha de informações e ou a vivência de experiências, impossíveis noutros âmbitos. Por outro lado, e sobretudo nestas idades de construção da personalidade, unir jovens de países distantes, e pô-los a falar a mesma língua em torno de causas, tal como a climática, é resposta de futuro para uma Europa com crise de valores.

Projeto UMBRELLA - B

A fatia nacional do projeto, como se referiu, prevê instalar 5 estações meteorológicas, cujo quadrilátero formado pela localização das mais extremas, forma uma área de trabalho com cerca de 24 kms2. Nesta nasce o Rio Sousa, afluente do Douro, e confina, muito grosseiramente, à metade oriental do Concelho de Felgueiras, onde se situa a Escola Secundária da Lixa, e administrativamente pertence ao Distrito do Porto, NUT III - Tâmega e Sousa. Dista, a oeste, cerca de 48 quilómetros do Oceano Atlântico, de onde sopram os ventos predominantes da região, e a sua altitude média é de cerca de 395 metros. A leste desenvolve-se uma barreira montanhosa concordante com a linha do mar, que determina a subdivisão, em dois, do clima no norte de Portugal Continental: a oeste, um clima de temperaturas mais amenas e mais chuvoso, de feição marítima; a leste da barreira, um clima de maiores amplitudes térmicas anuais e maior secura, de feição continental.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

A temperatura de julho.

terça-feira, 6 de agosto de 2019 · Temas:

Ao arrepio do comportamento térmico de grande parte da Europa e regiões setentrionais, os valores de temperatura do mês de julho, registado pela estação meteorológica da ESL, mostram um mês ameno e seco. As temperaturas médias situaram-se, maioritariamente, entre os 25°C e os 16°C. Acima deste intervalo, só foram registados três dias: 10 a 12 de julho. As massas de ar e os ventos predominantes de oeste / noroeste, sortiram assim efeito na temperatura, impondo-se às provindas do norte de África, que causaram vagas de calor inéditas, em países pouco habituada às mesmas: França, Alemanha, Bélgica ou Holanda.

Evolução da temperatura de precipitação de julho de 2019.png

Por outro lado, a precipitação parece não fugir ao padrão dos últimos anos, onde o mês de julho surge como o menos pluvioso. De facto, o valor de cerca de dois milímetros de precipitação ocorridos ao longo de todo o mês, é uma marca do nosso verão, mas também da tendência de seca que o país atravessa há anos.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This