Por que é que Portugal não é atingido por furacões.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017 · Temas: , ,

Antes de irmos aos furacões, que se designam por tufões nos países banhados pelo Oceano Pacífico, falemos da milenar ocupação humana do globo terreste. Os nossos antepassados, quando se tornaram bípedes, e num processo de centenas de milhar de anos, migraram pelos continentes, estabelecendo-se onde abundava de alimento e onde encontraram um certo conforto climático.

Ciclones em 11 de setembro de 2017

Hoje, paradoxalmente, o Homem habita áreas climaticamente inóspitas, muitas das vezes remotas, onde fatores económicos, históricos  e ou estratégicos, ditam a sua difícil fixação. De facto, não obstante a tecnologia do século XXI, a máquina climática da natureza ainda não foi domesticada, atuando, por vezes, com a força de um animal atiçado pela poluição atmosférica.


Não admira então, que a Europa, a nossa Península, e nomeadamente toda a bacia do Mediterrâneo, tenha sido o berço da civilização ocidental. Tal não foi por acaso. As curtas distâncias, um mar calmo e um clima temperado, ditaram a fixação do Homem nesta região, que viu florescer civilizações como a Egípcia, Fenícia, Grega ou Romana.

Mas, voltando ao tema deste artigo, a ausência de fenómenos climáticos extremos nesta nossa região, como os furacões que atingem a costa leste do continente americano, deve-se à circulação geral da atmosfera. Por outras palavras, e de um modo simplificado, ao efeito que o movimento de rotação da Terra induz na circulação dos ventos, na sua viagem atlântica entre altas e baixas pressões.

No mapa anterior, verifica-se que na região equatorial do Oceano Atlântico, convergem ventos denominados de alísios provindos de norte e sul, ambos de nascidos em anticiclones subtropicais. Por sua vez, o movimento de rotação da Terra, oeste-este, provoca naqueles um desvio para oeste (efeito de coriolis) que arrasta furacões para ocidente, como o Irma e o José, que decorrem no momento.


Fontes: Smithsonian National Museum Of Natural History // EarthWindMap

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Deixa um comentário