Acorda, Pandilha! Começa hoje o verão!

quarta-feira, 21 de junho de 2017 · Temas: ,

Em termos climatológicos, o verão já começou há muito, aliás como acontece todos os anos. Contudo, e de um ponto de vista astronómico, esta estação do ano só se inicia hoje, pelas 5:24H, e no hemisfério norte. É o dia em que o nosso astro rei se levanta mais cedo, se deita, mais tarde, fazendo-se passear durante mais tempo acima do horizonte.

S. João Pandilha

Este fenómeno, conhecido há milénios, levou os nossos antepassados a erguer monumentos megalíticos, ou a desenvolver rituais e tradições, que se perpetuaram até aos nossos tempos. O nosso São João é um excelente exemplo da manifestação popular dos mesmos, e a Pandilha vai tentar explicá-los.

Não há S. João sem alho-porro e ramos de cidreira, que perfumam o ar carregado de orvalhada, na noite mais festiva do ano. Aqueles dois elementos fálicos, o primeiro remetendo para o homem e o segundo para a mulher, coincidem na sua maturação biológica, por esta época do ano, e daí a sua fácil adoção ritual.


«O alho-porro começou por ser usado, inicialmente, durante as rusgas, onde os romeiros os iam colhendo nos campos em redor da cidade, era visto como algo que impedia o mal de entrar nas casas. Uma vez adquirido na noite de São João, deveria ser mantido atrás da porta durante todo o ano para afastar todos os males [tal como a cidreira]. Na noite dedicada a este Santo, apresenta um caráter de travessura, visto ser usual bater na cabeça e nos narizes das pessoas que se vai encontrando pela cidade, sendo assim uma forma de bênção e de boa fortuna»1.

Beatriz Pandilha 2

O majerico está relacionado com amores e afetos próprios deste período. Como planta aromática que é, trazida da Índia, é levada para casa pelas suas propriedades odoríferas e como símbolo de felicidade.

Sofia S. João

Devido aos contactos entre os exploradores e comerciantes portugueses na China, o balão é adotado pelas festividades de S. João em Portugal e no Brasil. O seu lançamento, acarretado (embora polémico, dados os incêndios que podem causar), constitui a mais vistosa das tradições joaninas. Lançá-lo é um momento simbólico e mágico. Experimentem, se puderem.


Fontes: http://martelodesjoao.blogspot.pt/  // 1«A felicidade no Manjerico e a sorte no alho-porro: O São João sai à rua na cidade do Porto – alunos e familiares na descoberta do património imaterial» – Sara da Silva Feiteira, FLUP, 2015.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Deixa um comentário