Brisa de verão.

quinta-feira, 28 de julho de 2016 · Temas: ,

De todos os ventos, o mais desejado, porque mais suave e morno, é a brisa. Sopra ao fim da tarde, batalhando o calor deixado pelo vento leste, e quando se agiganta, avança, conquista território, e arrefece paragens que não são as suas.  Trava, no entanto, uma luta desigual, na força e no tempo. Por isso, a frescura que a brisa traz, é sempre uma delícia efémera.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

2 respostas a: “Brisa de verão.”

  1. Muito poético. Tão sugestivo que me remeteu para o soneto de Bocage que, entre outros elementos da natureza, fala de Zéfiro o deus desta brisa, que afaga os humanos e traz com ele o poder do amor e da fecundação:
    Olha, Marília, as flautas dos pastores
    Olha, Marília, as flautas dos pastores,
    Que bom que soam, como estão cadentes!
    Olha o Tejo a sorrir-te! Olha não sentes
    Os Zéfiros brincar por entre as flores ?

    Vê como ali, beijando-se os Amores
    Incitam nossos ósculos ardentes!
    Ei-las de planta em planta as inocentes,
    As vagas borboletas de mil cores!

    Naquele arbusto o rouxinol suspira,
    Ora nas folhas a abelhinha pára,
    Ora nos ares sussurando gira:

    Que alegre campo! que manhã tão clara!
    Mas ah! Tudo o que vês, se eu te não vira,
    Mais tristeza que a morte me causara.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais uma das enormes sugestões do Professor Matos! Já agora, dada a situação geográfica da Grécia, rodeada pelo mar, com exceção a norte, os ventos irmãos de Zéfiro, Bóreas - norte, Noto – sul e Eurus – leste, têm um comportamento climático deferente do que se verifica na Península. Arriscando, diria que o nosso vento leste corresponde, aproximadamente, ao helénico Bóreas (norte).

      Eliminar