Fotografias «estóricas».

quinta-feira, 9 de junho de 2016 · Temas: , ,

Quando se tem treze, catorze, vá lá, quinze anos de idade, não mais, o sorriso vale muito mais do que uma enorme gargalhada aos vinte, uma dor de barriga provocada pelo riso aos trinta, ou o hilariante lacrimejar, já próximo dos quarenta. Sabemos disto, porque nesta nossa profissão, lidamos abundantemente com estes assuntos do riso.

Fotos Estóricas-44

Os anos de experiencia no assunto ensinaram-nos que aquela expressão facial deve ser acarinhada, incentivado, e até protegido, pois é receita para muitas maleitas pedagógicas que se vão contraindo com a idade. Inclusivamente, compreendemos que o não sorrir também pode ser hilariante e, portanto, o encarniçado “riso” não se reduz à “falta de juízo”. Na verdade, é muito mais do que isso; é arte por exemplo e genialidade também.

Dito isto, passemos ao motivo do artigo, que tudo a ver com o riso, mas foi coisa séria. Referimo-nos às divertidíssimas estórias rurais, levadas à cena por estranhíssimas famílias «provincianas», fartas em bigodes farfalhudos, fantasmas de lençóis furados e mordomos aptos a prestar qualquer serviço. Foram interpretadas por alunos em torno dos treze, não muito mais, que sorriram, fizeram sorrir, e provaram que a cultura (e aprendizagem) é muito mais que muita coisa.

 Fotos Estóricas-73

Ah! Para os afoitos, avisamos que os “filmes” de cada uma das peças só terá estreia aqui no Geopalavras, durante a próxima semana, aquando da outra “estreia”, essa sim, dramaticamente sem sorrisos, das notas de final de ano! Capiche?!

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Deixa um comentário