O martelo de S. João e outros rituais.

domingo, 23 de junho de 2013 · Temas: ,

O martelo de S. João compete com o alho porro, a cidreira e os manjericos que, segundo a tradição protegem do mau olhado. Aliás, toda a noite de S. João assenta um cortejo de tradições ancestrais, numa mistura festiva entre o sagrado e o profano, que a memória popular não esquece, soube transformar e adaptar.

Martelo de S. João

Mas para além do uso das aromáticas, a noite contempla também o ritual salto da fogueira, que perpetua o tempo em que o Homem observava, sem compreender, o solstício de verão. Na verdade, a suposta data de nascimento do santo, resulta da incorporação de uma manifestação pagã, por parte da igreja, no seu próprio calendário, à semelhança daquilo que fez com vários momentos festivos do ano.

Já no que se refere à gastronomia, a sardinha que abunda nos pratos típicos desta época festiva, está intimamente ligada à nortada (um vento que corre quase paralelamente à costa ocidental do continente), gerando um fenómeno hidrodinâmico que facilita a abundância de cardumes daquele peixe estival.

O martelo de S. João é, de todos os rituais, o mais recente. Na queima-das-fitas de 1963, os estudantes procuraram junto de um industrial de brinquedos, um instrumento ruidoso para usar durante o cortejo académico. O sucesso do seu uso foi tal, que os comerciantes da Cidade do Porto quiseram usá-lo nas festas da Cidade, incorporando-se paulatinamente como mais um ritual da Noite de S. João.


Fonte: http://martelodesjoao.blogspot.pt/ 

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Deixa um comentário