Festum omnium sanctorum.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010 · Temas:

No próximo dia 1 de Novembro assinala-se o dia de Todos-os-Santos (festum omnium sanctorum). Este feriado religioso celebra a memória de todos os santos, inclusivamente daqueles que apesar de vivos entregaram a vida Deus. É assim uma manifestação que pretende celebrar todos os cristãos que se encontram na glória de Deus e tenham ou não sido canonizados (Wikipédia).

Do ponto de vista religioso, no primeiro dia de Novembro assinala-se a memória dos santos e, no dia seguinte, a dos fiéis defuntos. Contudo a força da religiosidade popular «acaba por ser avassaladora» e a maioria dos fiéis, antecipa a comemoração dos fiéis defuntos, que tem o seu dia próprio a 2 de Novembro. A valorização dos fiéis defuntos e, nomeadamente a ida aos cemitérios para visitar as pessoas já falecidas e compor as sepulturas, «foi antecipada pelo facto de o dia 1 de Novembro ser feriado nacional e o dia 2 não o ser» (João Peixoto).

Crianças a colocar velas no cemitério da Igreja
 do Santo Rosário - Dhaka, Bangladesh.
Em passados não remotos não seria assim, mas a evolução da sociedade, acabou por determinar a sobreposição das duas celebrações e, no espírito das pessoas, a predominância da segunda. Acaba por ser uma «adaptação à sociedade laica» (João Peixoto).

A raiz histórica do omnium sanctorum.

Nos primeiros séculos da era cristã, o culto de louvor aos santos resumia-se unicamente aos mártires, com as celebrações em sua intenção a terem lugar nos subterrâneos das catacumbas e no interior das primeiras basílicas. De acordo com a tradição, os primórdios da festa (na Idade Média) prendiam-se também com o facto de a Igreja poder ter esquecido durante o ano, nas suas celebrações, o nome de algum santo e de omitir aqueles que não figuravam no calendário litúrgico, corrigindo desta maneira essa falta, além de se admitir que a celebração traria benefícios graças à intercessão de todos os santos junto de Deus, devido às orações que lhes eram dedicadas neste dia pelos fiéis.

Andores gigantes construidos a propósito do dia
de Todos-os-Santos pela população de
Sacatepequez - Guatemala.

Designado primitivamente dia de Nossa Senhora dos Mártires, a data foi celebrada durante mais de dois séculos no dia 13 de Maio com um ofício próprio, enquanto por volta de 737 passa a ser incluída no cânone da missa uma alocução dedicada a todos os santos. No século IX (835), a data desta festa religiosa é então fixada no dia l de Novembro pelo papa Gregório I e a partir de 837, por decreto real, a data da festividade no dia l de Novembro torna-se universal, constituindo uma das maiores solenidades para toda a Igreja Cristã (Soledade Costa).

O «Pão por Deus».

Em Portugal, neste dia feriado, as crianças tinham por hábito formar pequenos grupos, sair à rua e pedir o «Pão por Deus» de porta em porta. A acompanhar este pedido, recitavam versos e recebiam como oferendas: pão, broas, bolos, romãs, frutos secos, nozes, amêndoas ou castanhas, que colocavam dentro de sacos de pano. Em certas regiões é ainda hábito os padrinhos oferecerem um bolo: o santoro (bolo comprido em forma de tíbia) pelo que muitas povoações chamam a este dia o «Dia dos Bolinhos».

Barack Obama e a 1ª Dama norte-americana no
Trick or Treat.

O «Trick or Treat» britânico (e norte-americano) é uma abordagem culturalmente diferente do nacional «Pão por Deus» e faz parte do conjunto de rituais ligados ao Halloween, que tem lugar na passagem de 31 de Outubro para 1 de Novembro. Esta «festa» enraíza-se nos rituais da civilização Celta que habitava a Grã-Bretanha há mais de 2000 anos. Aquele povo realizava as suas colheitas por esta época do ano e, segundo a crença, os espíritos das pessoas mortas voltariam à terra durante a noite para se alimentar e assustar as pessoas forçando a população a vestir-se com máscaras assustadoras para afastar os espíritos.

Halloween - Copenhaga, Dinamarca.
Esta tradição, conhecida como o «Samhaim», foi absorvida e readaptada pela Igreja Católica que transformou aquele ritual pagão numa festa religiosa onde, em vez de se honrar espíritos e forças ocultas, se deveria honrar os santos. Contudo, a tradição primordial persistiu entre os Celtas cristianizados que, para além de celebrarem o católico dia de Todos-os-Santos, celebravam também a noite de véspera, usando máscaras assustadoras. A noite, chamada de «All Hallows Evening» (a palavra Hallows, num sentido religioso, significa sagrado ou santo), abreviou-se e derivou para a palavra Halloween.

Fontes:
- Wikipédia.
- http://www.newadvent.org
- Padre João Peixoto - Agência Ecclesia.
- «Festas e Tradições Portuguesas» - Jorge Barros, Soledade Martinho Costa - Círculo de Leitores.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Deixa um comentário