A hora de Verão e a invenção do relógio.

domingo, 28 de março de 2010 · Temas: ,

Hoje, dia 28 de Março, entra em vigor a hora de Verão. À 1 hora da madrugada, deve-se adiantar o relógio em 60 minutos. Mas porque muda a hora? Tal como já foi referido no Geopalavras, o pressuposto inicial desta decisão política / económica, era permitir que as jornadas de trabalho acabassem mais tarde, logo com menos energia (iluminação) consumida. Contudo, aquele pressuposto, na frenética e consumista sociedade actual, deixou de ser válido e se quisermos explicar por que muda a hora em Portugal, teremos de falar em cronobiologia (ciência que estuda os ritmos biológicos; o relógio biológico do ser humano dita ao organismo os ritmos que afectam o sono, o apetite, os níveis de energia e atenção e outros aspectos da nossa fisiologia).

Mandala Kalachakra  - Roda do Tempo.

A invenção dos relógios: os medidores do tempo.

Esta mudança ritual de hora só é possível dada a medição do tempo. De facto, o mundo rege-se em fracções de segundos, minutos, horas e dias, estabelecendo com estas unidades de medida uma espécie de linguagem universal que determina o quotidiano das sociedades mundiais, das mais primitivas às mais sofisticadas.

Contudo, todo este processo só é possível dada a invenção do relógio. Este instrumento teve o seu primeiro esboço há cerca de 3500 anos atrás e baseava-se na projecção da sombra do Sol de um pilar (ou objecto vertical), projectada num plano horizontal graduado em tempo. Esta técnica, subjacente a todos mecanismos de medição do tempo, baseia-se no princípio do ciclo regular e no seu confronto com outro ciclo diferente. Por outras palavras, a medição do tempo é a comparação de um evento fixo e conhecido (por exemplo: do nascer ao pôr-do-sol) com outros que usualmente desconhecemos (por exemplo uma viagem). Na antiguidade usavam-se como pontos de referência para a medição do tempo, acontecimentos naturais como a duração do dia ou a observação dos astros.

Relógio de Sol.

Mais recentemente, a medição do tempo passou a basear-se num acontecimento fixo, controlado e de duração constante. Um dos primeiros aparelhos a utiizar este método, foi criado pelos egípcios há cerca de 1400 anos a.C. e denomina-se por clepsidra ou relógio de água. Este relógio assenta no princípio básico de uma determinada quantidade de água necessitar sempre do mesmo tempo para passar de um recipiente para outro. Outras civilizações utilizaram o mesmo princípio com objectos simples e de forma engenhosa. Na China, queimava-se uma corda com nós regulares e observavam o intervalo de tempo necessário para que o fogo passasse de um nó ao seguinte.

O primeiro relógio mecânico.

Os relógios mecânicos surgiram mais tarde, sendo bastante imprecisos e extremamente elaborados, baseando o seu funcionamento na utilização de pesos. O primeiro relógio mecânico foi construído pelo matemático e monge Budista Yixing, em 725. Denominava-se por «O mapa da abóbada celeste». Em 1092, na China, foi construída a «Máquina cósmica de Su Song». Tinha cerca de 10 metros de altura e funcionou cerca de 30 anos, até a dinastia Song ter sido forçada a abandonar a capital chinesa.

Mecanismo de Yixing. 

No século XVII o holandês Huygens construiu o primeiro relógio pendular, baseado num princípio de Galileu. Este relógio representava um grande avanço tecnológico face aos anteriores, visto só se desfasar cerca de dez segundos por dia. Durante este mesmo século apareceram também os primeiros relógios de bolso.

O relógio de pêndulo aperfeiçoou-se assim, durante quase três séculos, até que em 1929 um cientista Americano, Warren A. Marrison, inventou o relógio de cristal de quartzo, cujo funcionamento se baseia na vibração que o cristal experimenta quando é submetido a uma voltagem eléctrica. Um moderno relógio de quartzo actual, de extrema qualidade, desfasa-se apenas um milissegundo por mês.

O holandês Huygens.

Hoje em dia, os mais sofisticados aparelhos de medição do tempo são os relógios atómicos, baseados na frequência de uma vibração atómica. Os exemplos mais comuns são o relógio atómico de césio, com uma exactidão extraordinária (desfasam-se aproximadamente um milissegundo em 1400 anos) ou o de rubídio, que se utiliza mais frequentemente devido ao seu custo inferior e, pelo facto de se desfasar cerca de um milissegundo em vários meses. Desde 1967, que a definição internacional do tempo se baseia num relógio atómico, pelo qual se regulam todos os relógios, satélites e aparelhos de última geração.

O primeiro relógio atómico - 1949.
Fontes:

- Wikipédia.
- "A Reading Of al-Jazari´s The Book of Knowledge of Ingenious Devices" - Guanalan Nadarajan, FCTC, 2007.
- http://www.muslimheritage.com/
- Jornal Público.

Share to Facebook Share to Twitter Email This Pin This

Deixa um comentário